Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Mulher de Cabral fez 11 compras de joias, maioria sem nota fiscal, diz delatora - Jornal Brasil em Folhas
Mulher de Cabral fez 11 compras de joias, maioria sem nota fiscal, diz delatora


A ex-primeira-dama do Rio de Janeiro, Adriana Ancelmo, fez 11 compras de joias, quase todas sem nota fiscal, sempre de forma discreta, geralmente pagas em dinheiro vivo. A informação foi divulgada nesta terça-feira (19) pela diretora comercial da joalheria H.Stern, Maria Luiza Trotta, durante depoimento ao juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, que concentra os casos relativos à Operação Lava Jato e seus desdobramentos no Rio.

Maria Luiza fez acordo de delação premiada, juntamente com os proprietários da empresa, que também foram ouvidos por Bretas, como testemunhas de acusação contra o ex-governador Sergio Cabral, Adriana e outros envolvidos.

A diretora da H.Stern disse que conheceu Adriana em 2009 e que passou em 2012 a fazer vendas diretamente à então primeira-dama, que era exigente e comprava joias de alto valor, como um par de brincos de R$ 1,8 milhão e outro par de brincos de R$ 1,2 milhão. Segundo ela, os pagamentos eram em dinheiro vivo e passaram a ser feitos na tesouraria da empresa.

O presidente da joalheria, Roberto Stern, disse que o total de compras do casal Adriana e Cabral chegava a R$ 6 milhões e que os certificados de autenticidade das joias não apresentavam o nome dos compradores, para garantir sigilo. Também foram ouvidos o vice-presidente do grupo, Ronaldo Stern, e o ex-diretor financeiro, Oscar Stern. Todos reiteraram que a quase totalidade das vendas a Cabral e Adriana foram feitas sem emissão de nota fiscal e de forma sigilosa.

A defesa de Adriana divulgou nota lamentando que os diretores da H.Stern tenham faltado com a verdade, “a fim de manter seus prêmios obtidos com delação em que inventaram fatos”. A defesa de Cabral também escreveu nota criticando o fato de que as provas do processo tenham sido extraídas apenas da memória da diretora comercial da joalheria, já que em boa parte dos documentos originais não constava os nomes de Adriana e Cabral: “Com as oitivas de hoje, ficou claro que nem o presidente da empresa e nem os seus diretores sabiam do que se passava nas operações de compra e venda de joias”.

O juiz Marcelo Bretas deve divulgar em breve, possivelmente nesta quarta-feira (20), a sentença do ex-governador Cabral e outras pessoas envolvidas na Operação Calicute, desdobramento da Lava Jato no Rio.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212