Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Senado tenta acordo para votar financiamento de campanha - Jornal Brasil em Folhas
Senado tenta acordo para votar financiamento de campanha


O presidente do Senado, Eunício Oliveira, constituiu uma comissão de senadores para analisar os diferentes projetos para financiamento de campanha existentes na Casa e apresentar, até amanhã (20), um substitutivo à proposta do senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) que possibilite um acordo entre os partidos. Segundo Eunício, a intenção é votar o tema até a próxima terça (26).

Eunício disse que a solução para o financiamento das campanhas não pode envolver a criação de novas despesas. “Nós temos que encontrar solução para isso sem mexer na saúde, na educação e sem ir buscar dinheiro novo e sim dinheiro que já é gasto na política”.

Entre as possibilidades está usar a renúncia fiscal destinada à propaganda partidária fora do ano eleitoral. Também não está descartado o uso dos recursos do horário eleitoral gratuito em ano de eleições, como previsto na proposta de Caiado , que atualmente tem vários outros projetos apensados.

Integram o grupo designado para trabalhar no substitutivo os senadores Armando Monteiro (PTB-PE), Romero Jucá (PMDB-RR), Humberto Costa (PT-PE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Paulo Bauer (PSDB-SC) e o próprio Caiado. Monteiro, Bauer e Caiado são líderes de seus partidos no Senado. Randolfe, embora formalmente líder da Rede, é o único parlamentar do partido na Casa.

“Caberá à comissão fazer um substitutivo. Eu disse que escolheria entre os membros, se houver entendimento, o relator em plenário. Se não houver, vou escolher um senador [entre todos os parlamentares]. Ele fará um substitutivo, vai dar um parecer e o plenário vai discutir”, disse Eunício.

Alternativa

Como alternativa à proposta de Caiado de extinguir o horário eleitoral de rádio e televisão e reverter o dinheiro da renúncia fiscal da propaganda para o fundo, os parlamentares podem aprovar a destinação de 50% dos recursos de emendas impositivas de bancadas para o financiamento das campanhas.

Previstas no Orçamento Geral da União, as emendas de bancada impositivas são definidas com base em um percentual da receita corrente líquida da União e devem ser apresentadas pelos partidos para a realização de obras como de infraestrutura.

A proposta foi feita pelo líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e tem o apoio dos demais integrantes da comissão. Dessa maneira, o projeto acabaria com a propaganda partidária apenas nos anos ímpares, quando não ocorrem eleições. De acordo com Caiado, o redirecionamento das emendas geraria uma receita para o fundo de cerca de R$ 2,5 bilhões. Somado ao recurso arrecadado com o fim das propagandas partidárias em anos ímpares, informou, o fundo poderia chegar a R$ 3 bilhões.
Brasília - O relator Ronaldo Caiado fala durante sessão extraordinária para votar o projeto que cria Cédula Imobiliária Rural, no plenário do Senado (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O senador Ronaldo Caiado apresentará um pedido para que a sua proposta original seja votada em separadoMarcelo Camargo/Arquivo/Agência Brasil

Caiado, porém, disse que mesmo que haja um substitutivo de consenso entre os demais senadores em prol da continuidade da propaganda, ele apresentará um pedido para que a sua proposta original seja votada em separado.

O senador Humberto Costa, um dos integrantes da comissão, disse ser a favor do uso da renúncia fiscal apenas para o programa partidário, que é transmitido semestralmente, e não no ano de eleições. “O horário eleitoral gratuito no rádio e na TV nós queremos manter, ainda que venha a ser barateado. Por exemplo, que seja permitida apenas a gravação no estúdio, sem nenhum tipo de gasto suplementar”, disse.

Apelo

Eunício informou ainda que, em almoço ontem (18) com o presidente da República em exercício e presidente da Câmara, Rodrigo Maia, fez um “apelo” pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 282/2016, que prevê o fim das coligações partidárias proporcionais e a instituição da cláusula de barreira.

Em acordo, os parlamentares decidiram votar os destaques feitos a esta proposta somente após a votação da PEC 77/03, pela qual o país adotaria o sistema majoritário, conhecido como distritão, para as eleições de deputados e vereadores em 2018 e 2020, antes da instalação do voto distrital misto para as eleições proporcionais a partir de 2022.

Defendendo que o Senado tem condições de construir um acordo para concluir a votação do projeto entre hoje e amanhã, Caiado disse que independentemente da falta de consenso na Câmara, os senadores terão feito o seu papel.

Não podemos criar um vazio legislativo em um momento tão grave quanto este. O Senado não está impedido de votar. Se a Câmara não vota, é outro problema. Cabe a nós votar. Se já votamos todos os temas, ficará com a Câmara a responsabilidade em responder. Na próxima semana não temos como votar lá na Câmara. Temos que chegar a uma conclusão hoje, porque não tem muito o que discutir, disse.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212