Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Signatários confirmam que acordo nuclear iraniano é respeitado - Jornal Brasil em Folhas
Signatários confirmam que acordo nuclear iraniano é respeitado


Todos os países que aprovaram o acordo sobre o programa nuclear iraniano acreditam que o mesmo está sendo respeitado, apesar dos apelos dos Estados Unidos para que o mesmo seja renegociado, declarou nesta quarta-feira a chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini.

Todos concordamos em que todas as partes estão cumprindo com seus compromissos, disse Mogherini a jornalistas na ONU, após os países signatários - Irã, Estados Unidos, China, Rússia, França, Grã-Bretanha e Alemanha - celebrarem uma reunião em Nova York, à margem da Assembleia Geral da ONU.

Na opinião de Mogherini, não é necessário renegociar partes do acordo porque se refere a um programa nuclear e, neste sentido, está funcionando.

Mogherini recordou que a comunidade internacional já está preocupada com as ameaças nucleares da Coreia do Norte e que seria perigoso abrir outra frente de conflito. Já temos uma potencial crise nuclear e não precisamos iniciar outra.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, considera que o acordo - firmado por seu antecessor, Barack Obama - não funciona e o qualificou de vergonhoso na véspera, ao discursar na Assembleia Geral da ONU.

Nesta quarta-feira, o secretário americano de Estado, Rex Tillerson, se encontrou com o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, também na ONU, para discutir o acordo nuclear.

Após a reunião bilateral, Tillerson declarou aos jornalistas que os Estados Unidos continuam tendo problemas significativos em relação ao acordo nuclear com o Irã.

Foi uma boa oportunidade para nos reunirmos, apertar as mãos. O tom foi muito concreto. Não houve gritos, não lançamos sapatos um no outro, disse Tillerson após o encontro. Não houve um tom raivoso. Foi uma troca muito, muito concreta sobre como vemos este acordo de modo muito diferente.

O presidente francês, Emmanuel Macron, avaliou nesta quarta que o acordo firmado em 2015 já não é suficiente diante da evolução regional e da crescente pressão que o Irã exerce na região.

Há dois dias, Washington e Teerã trocam acusações sobre o acordo, que garante a natureza civil do programa nuclear iraniano em troca do levantamento de sanções que sufocam a economia iraniana.

O presidente do Irã, Hassan Rohani, advertiu nesta quarta-feira, diante da Assembleia Geral, que seu país reagirá com determinação a qualquer violação do acordo assinado em 2015.

Será uma grande lástima se este acordo for destruído por párias recém-chegados ao mundo da política. O mundo perderia uma grande oportunidade, ressaltou o líder iraniano, lembrando que o acordo é o resultado de dois anos de intensas negociações multilaterais.

Rohani afirmou que seu país não será o primeiro a violar o acordo, mas responderá com determinação sua violação por qualquer das partes.

A continuidade desses histórico acordo, elaborado para impedir o Irã de se dotar de arma atômica, se tornou um dos temas centrais da 72ª Assembleia Geral da ONU.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212