Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 OMS alerta para falta de novos antibióticos e pede mais investimentos - Jornal Brasil em Folhas
OMS alerta para falta de novos antibióticos e pede mais investimentos


A OMS alertou nesta quarta-feira sobre a séria escassez de novos antibióticos para combater bactérias cada vez mais resistentes, e defendeu redobrar os investimentos diante desta crescente ameaça à saúde mundial.

No total, a Organização Mundial da Saúde registrou 51 novos antibióticos em fase de desenvolvimento clínico para combater os chamados agentes patógenos prioritários, a tuberculose e a infecção diarreica atribuída ao Clostridium difficile.

Mas há apenas oito tratamentos inovadores capazes de reforçar o arsenal existente, destaca o comunicado.

Além da tuberculose resistente, que a cada ano mata 250 mil pessoas no planeta, a OMS publicou em fevereiro uma lista de 12 famílias de superbactérias, contra as quais considera urgente desenvolver novos medicamentos, a exemplo de enterobactérias como Klebsiella e E.coli.

Algumas destas famílias provocam infecções comuns, como pneumonia e do trato urinário.

A resistência antimicrobiana é uma emergência de saúde global, declarou o diretor-geral da OMS, Adhanom Ghebreyesus.

Há uma necessidade urgente de um maior investimento em pesquisa e desenvolvimento de antibióticos (...), do contrário voltaremos ao passado, quando as pessoas temiam infecções comuns e a vida estava em risco até em simples cirurgias, advertiu.

Apenas para a tuberculose, a OMS avalia a necessidade de investimentos superiores a 800 milhões de dólares anuais na pesquisa de novos medicamentos.

A OMS adverte, ainda, que há muito poucas soluções orais de antibióticos em desenvolvimento, quando são essenciais para tratar infecções fora dos hospitais.

As bactérias resistentes aos antibióticos poderão matar até 10 milhões de pessoas por ano até 2050, um número equivalente ao do câncer, segundo um grupo de especialistas internacionais formado em 2014 no Reino Unido.

Presidido pelo economista Jim ONeill, o grupo estima que o fenômeno causa atualmente 700 mil mortes por ano.

A OMS adverte que não se trata apenas de novos antibióticos, mas também de se melhorar a prevenção de doenças e promover o bom uso dos tratamentos existentes e futuros, tanto entre os pacientes como para animais e na agricultura.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212