Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estudo aponta que ainda é possível atingir metas do Acordo Climático de Paris - Jornal Brasil em Folhas
Estudo aponta que ainda é possível atingir metas do Acordo Climático de Paris


Atingir as metas do Acordo Climático de Paris ainda é possível, mas os países que assinaram o pacto poderiam ser obrigados a reforçar seus compromissos para a redução de emissões, indicou um relatório publicado nesta segunda-feira pela revista Nature.

A pesquisa, liderada pela Escola de Ciências Físicas, Matemática e Engenharia da Universidade de Exeter, no Reino Unido, analisa o orçamento de carbono do planeta para não superar o limite estabelecido, ou seja, a quantidade de gases de efeito estufa que ainda podem ser lançados antes de a meta ser superada.

O pacto firmado na Cúpula do Clima de Paris em 2015 (COP21) fixaram um aumento máximo de 1,5ºC em relação aos níveis pré-industriais em 2100, lembram os especialistas.

O Acordo de Paris abriu o debate sobre se limitar o aquecimento em 1,5 graus é compatível com os compromissos atuais de redução de emissões e o aquecimento de 0,9 graus que já ocorreu desde meados do século XIX até a presente década, explicam os pesquisadores.

O documento indica que o orçamento de emissões de carbono restante compatível com o limite de 1,5ºC é maior do que se pensava anteriormente. No entanto, os cientistas afirmam que o aquecimento global antropogênico fez com que a temperatura na superfície fosse 0,93ºC mais alto do que os registrados em meados do século XIX.

Para a pesquisa, os cientistas combinaram o uso de um modelo climático de carbono simples com propriedades-chave do sistema e dados do estado de clima atual para calcular o orçamento de carbono restante compatível com as metas fixadas.

Nesse sentido, constataram que uma forte redução de gases de efeitos estufa diferentes do dióxido de carbono e contínuos ajustes poderiam permitir emissões líquidas de carbono entre 250 e 540 gigatoneladas.

O intervalo, indicam os pesquisadores, poderia ser compatível com o objetivo de limitar o aquecimento global a 1,5ºC até 2100.

Eles também sugerem que as atualizações periódicas sobre o aquecimento antropogênico, baseadas em uma metodologia transparente, servirão para que os países que assinaram o Acordo de Paris possam ajustar seus compromissos na luta contra a mudança climática.

Em consequência, limitar o aquecimento a 1,5 graus não é ainda uma impossibilidade geofísica, mas é possível que sejam cumpridos compromissos reforçados até 2030, alertam os autores.

O fortalecimento das reduções de emissões de curto prazo serviria de proteção para uma possível resposta climática forte ou de taxas de redução subsequentes que fossem inviáveis do ponto de vista econômico, técnico e político, indicaram os cientistas. EFE

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212