Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 França: Macron sofre primeira derrota nas urnas em eleições para o Senado - Jornal Brasil em Folhas
França: Macron sofre primeira derrota nas urnas em eleições para o Senado


O presidente centrista Emmanuel Macron sofreu o seu primeiro revés nas urnas neste domingo (24) em uma eleição indireta para renovar metade dos assentos do Senado francês, no qual os opositores da direita conseguiram ampliar sua maioria.

Conforme tinham anunciado as pesquisas, Macron, que assumiu a presidência da França em maio desse ano juntamente ao partido que criou há pouco mais de um ano e que obteve grande aprovação durante os comícios eleitorais com A República em Marcha (LRM), sofreu sua primeira derrota eleitoral nessas eleições indiretas.

De acordo com os primeiros resultados, os Republicanos (LR), o principal partido de oposição da direita, liderava a Câmara com 142 assentos em um total de 348, ampliando a sua maioria.

O partido de Macron, que tinha 29 senadores, poderia conseguir entre 20 a 30 senadores, número muito distante do seu objetivo inicial.

O Partido Socialista, que após o impopular mandato do ex-presidente François Hollande vem sofrendo vários fracassos eleitorais, obteria melhores resultados do que o previsto e conquistaria por volta de 70 lugares, se mantendo como segunda principal força do Senado.

O partido de extrema direita Frente Nacional (FN), que obteve seus primeiros dois assentos no Senado em 2014, não conseguiu ampliar a sua participação, ainda que, segundo a sua líder, Marine Le Pen, tenha registrado um significativo aumento de votos.

- Macron: queda na popularidade -

O LRM sonhava com uma nova vitória para fechar com o pé direito esse ano de maratona eleitoral. Porém, teve que rever suas ambições em um contexto marcado pela queda de popularidade do jovem chefe de Estado, de 39 anos, no poder há menos de cinco meses.

Partimos com uma página em branco. Não podíamos nem ganhar nem perder essa eleição. A verdadeira eleição para nós acontecerá no Senado em 2020, quando teremos conselheiros municipais e regionais, comentou François Patriat, líder da bancada dos macronistas no Senado.

Os senadores são eleitos por voto indireto por um colegiado de grandes eleitores, dos quais 95% são vereadores.

O partido de Macron enfrentava essas votações com duas desvantagens. Essa eleição por voto indireto não é favorável ao chefe de Estado, já que o seu partido foi construído em relação quase direta entre o presidente e os franceses.

A isso, soma-se um contexto difícil com a concretização nas últimas semanas das primeiras grandes reformas prometidas pelo presidente, que incluem 300 milhões de euros em cortes no orçamento destinado às autoridades locais e regionais.

O governo cometeu uma série de erros e fez tudo que estava a seu alcance para aborrecer os representantes locais, lamentou o senador centrista Vincent Capo-Canellas.

Na prática, as consequências desses resultados são limitadas, uma vez que na França, em caso de desacordo entre as duas câmaras do Parlamento, a última palavra é dos deputados.

Entretanto, o que isso pode acarretar seria na dificuldade na implementação de metas do governo, já que um Senado de direita pode retardar a aprovação de propostas.

Além disso, a aprovação do Senado é indispensável para a criação de emendas constitucionais, o que poderia atrapalhar os planos de Macron que havia prometido realizar importantes reformas constitucionais, incluindo a redução de um terço do número de parlamentares.

No caso de que o Parlamento impeça as suas reformas, Macron já havia declarado que consultaria a população francesa mediante referendo.

Os novos senadores iniciarão suas atividades no dia 2 de outubro, quando devem eleger seu novo presidente. O atual, Gérard Larcher, é o único candidato declarado.

Na França, o presidente do Senado, como segunda personalidade do Estado, é o responsável por substituir o presidente em caso de morte ou destituição do cargo.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212