Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Nova perícia muda causa da morte de procurador argentino - Jornal Brasil em Folhas
Nova perícia muda causa da morte de procurador argentino


Um relatório da Polícia Militar argentina que, dois anos e meio depois da morte do procurador Alberto Nisman, concluiu que ele foi assassinado, em contraposição a uma perícia anterior, acrescentando mais incerteza a um complicado caso judicial.

A perícia da PM argentina foi entregue na sexta-feira ao procurador federal Eduardo Taiano, encarregado do caso pela morte de Nisman, morto em 2015 quando investigava o atentado ao centro judeu AMIA, que deixou 85 mortos e 300 feridos em 1994.

A nova perícia, assinada por 28 especialistas, aponta que Nisman teria sido drogado com cetamina -que apareceu em estado puro não metabolizado- e golpeado no nariz, no fígado e nas pernas antes de ser assassinado no banheiro de sua casa, como noticiaram neste sábado os jornais La Nación e Clarín.

A família defende a hipótese de homicídio, enquanto a justiça investiga o caso como morte duvidosa, mas admitiu a possibilidade de assassinato ao passar o caso do foro penal ao federal em setembro de 2016.

A perícia da PM se contrapõe a que havia sido feita pelo prestigiado Instituto Médico Legal, subordinado, na Argentina, à Corte Suprema de Justiça. Para o IML não havia indícios de homicídio nem da presença de outra pessoa na cena do crime, inclinando-se por um suicidio.

O IML é consistente e muito bem fundado, disse neste sábado à rádio 10 a titular da Câmara Penal, María Laura Garrigós de Rébori.

Nisman foi encontrado morto no banheiro de seu apartamento com um tiro na cabeça em 18 de janeiro de 2015.

Junto a seu corpo havia uma pistola Barsa 22, de onde saiu a bala e que o procurador tinha pedido emprestada a um colaborador, Diego Lagomarsino, que até agora só foi processado por ter emprestado a arma.

No dia seguinte ao de sua morte, Nisman explicaria no Congreso sua denúncia contra a então presidente Cristina Kirchner (2007-2015), a quem acusou de tentar acobertar iranianos acusados pelo atentado à AMIA, em troca de acordos comerciais.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212