Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Raquel Dodge diz que dará continuidade a denúncia se Câmara autorizar - Jornal Brasil em Folhas
Raquel Dodge diz que dará continuidade a denúncia se Câmara autorizar


Na primeira entrevista à imprensa após assumir a chefia do Ministério Público Federal (MPF), Raquel Dodge, afirmou hoje (26) que exercerá sua função e dará continuidade à denúncia apresentada contra o presidente Michel Temer, caso a Câmara dos Deputados autorize o Supremo Tribunal Federal (STF) processar a denúncia.

Durante a entrevista, a procuradora não fez críticas à atuação do antecessor Rodrigo Janot e evitou comentários quanto ao mérito da segunda denúncia apresentada contra o presidente da República.

Perguntada pelos jornalistas se, assim como Janot, considera Temer “chefe de uma organização criminosa”, Raquel Dodge adotou um discurso técnico, postura diferente da do antecessor. “Não me cabe dar opinião sobre o que fará ou como se manifestará a Câmara dos Deputados”, disse a procuradora-geral.

“Não pode nenhum procurador e nenhum membro do Ministério Público dispor da ação penal, voltar atrás, em uma linguagem mais leiga. Então, estaremos dependendo, a seguir, do recebimento ou não dessa denúncia. Uma vez recebida, a denúncia é indisponível e darei a ela a continuidade que é do mister do meu cargo”, acrescentou.

Hoje, a segunda denúncia foi lida no plenário da Câmara dos Deputados. A denúncia, enviada pelo STF, chegou à Câmara na última quinta-feira (21). O processo, entretanto, só pôde ser lido hoje, porque tanto na sexta quanto ontem (25) o quórum mínimo de 51 deputados para abrir uma sessão não foi alcançado.

A partir da leitura da denúncia, o presidente da República e os demais acusados serão notificados pelo primeiro secretário da Câmara, deputado Giacobo (PR-PR), para apresentar suas defesas no prazo de até dez sessões do plenário. O processo será encaminhado à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), à qual cabe votar um parecer com relação ao prosseguimento da denúncia. A comissão analisa ainda se o processo será desmembrado por tipo de crime ou por autoridades a serem investigadas.

Na denúncia apresentada pela PGR, Temer é acusado de tentar obstruir a Justiça e liderar organização criminosa. O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot sustenta que o presidente da República e os ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil, e Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da República, ambos do PMDB, foram responsáveis por liderar um esquema de corrupção, envolvendo integrantes do partido na Câmara, com o objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração pública.

A defesa de Temer e os ministros citados negam as acusações. Os advogados do presidente argumentam que a denúncia foi baseada em provas forjadas.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio entrega título de Cidadã Goiana a cantora Joelma
Fundo Nacional do Idoso é aprovado na Câmara
Aval do TCU é suficiente para cessão onerosa, dizem técnicos da Corte
Acordo possibilitará investimentos privados em segurança pública
Vazamento de óleo afetará reprodução da fauna em mangue, diz ONG
Temer e Bolsonaro lamentam tragédia em Campinas
Jungmann coloca PF à disposição para apuração de caso de Campinas
Ministro da Cultura inicia comemorações aos 200 anos da independência

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212