Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 ONU pede que Mianmar pare com ações militares e permita acesso humanitário - Jornal Brasil em Folhas
ONU pede que Mianmar pare com ações militares e permita acesso humanitário


O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu nesta quinta-feira a Mianmar o fim das operações militares no oeste do país e denunciou um pesadelo humanitário pouco depois da morte de 15 refugiados rohingyas em um naufrágio ao tentar fugir do país.

Uma nova tragédia atingiu a minoria muçulmana rohingya quando um barco de refugiados que zarpou na quarta-feira à noite de uma aldeia costeira de Rakhine rumo a Bangladesh naufragou perto da praia. Foram encontrados 15 corpos, 10 deles de crianças.

Em uma incomum reunião pública do Conselho de Segurança sobre Mianmar - a última remonta a 2009 -, Guterres pediu ao governo birmanês o acesso humanitário para o oeste do país e que assegurem o retorno em segurança, voluntário, digno e duradouro dos refugiados que fugiram de Bangladesh a suas regiões de origem.

O número de rohingyas que chegaram a Bangladesh desde o fim de agosto para fugir da violência em Mianmar superou nesta quinta-feira a simbólica cifra de meio milhão, segundo os últimos números da ONU.

No total, 501.800 pessoas fugiram dali, o que representa um dos deslocamentos de populações mais importantes da Ásia ao longo do século.

Na reunião, que contou com a presença de representantes birmanês e bengalês, não estava prevista nenhuma declaração comum do Conselho de Segurança, que continua dividido sobre a questão.

Para além das habituais condenações de violência e dos chamados a acabar com os combates, Pequim, apoiado por Moscou, repudia qualquer ingerência nos assuntos internos birmaneses.

A China é o principal apoio de Mianmar, onde tem importantes interesses econômicos, sobretudo no oeste. É nesta região que o Exército birmanês está realizando uma campanha de repressão, consequência dos ataques dos rebeldes rohingyas em 25 de agosto.

O fato de sete países dos 15 membros do Conselho de Segurança pedirem uma reunião pública sobre Mianmar, e de o secretário-geral da ONU participar para avaliar a situação, significa um avanço importante, concordam diplomatas ocidentais.

- Pequim sob pressão -

O objetivo é colocar sob pressão birmaneses e chineses, assinalou um deles, que pediu anonimato. Este encontro é um claro sinal para Mianmar, insistiu outro. Não podemos permanecer calados, afirmou o embaixador francês, François Delattre.

As últimas reuniões desde o fim de agosto foram realizadas a portas fechadas.

E os chamados da ONU para acabar com a repressão, permitir acessos humanitários na parte oeste do país e o retorno dos rohingyas ficaram sem valor.

Pela primeira vez desde o início do novo surto de violência, representantes da ONU poderiam ter acesso nesta quinta à zona de conflito em Rakhine, em uma visita organizada pelo governo birmanês. Mas no último momento, as autoridades adiaram a viagem até a próxima semana, oficialmente por causa do tempo ruim.

- Limpeza étnica -

Os rohingyas, maior população apátrida do mundo, são considerados estrangeiros em Mianmar, país com mais de 90% da população budista.

A ONU considera que o Exército birmanês e as milícias budistas conduzem uma limpeza étnica contra esta comunidade no estado de Rakhine.

O êxodo dos rohingyas para Bangladesh, uma nação pobre do sul da Ásia de maioria muçulmana, paralisou o país.

Nos gigantescos campos de refugiados ao longo da fronteira, as autoridades e as ONGs estão sobrecarregadas pela maré humana e se preocupam cada vez mais com os riscos para a saúde. As condições atuais são propícias para o aparecimento de surtos de cólera, disenteria, ou diarreia.

Alvo de críticas, Mianmar denuncia um viés pró-rohingya da comunidade internacional e destaca os quase 30.000 budistas e hindus que também foram deslocados desde o final de agosto, em razão da crise.

Com grande dificuldade, a líder birmanesa, Aung San Suu Kyi, tenta preservar um equilíbrio frágil com um Exército muito poderoso. Em discurso na semana passada, a Prêmio Nobel da Paz garantiu estar aberta a um retorno dos refugiados, mas de acordo com critérios que permanecem ambíguos.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212