Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Na América se vive mais, mas ainda se morre por doenças evitáveis - Jornal Brasil em Folhas
Na América se vive mais, mas ainda se morre por doenças evitáveis


A América aumentou sua expectativa de vida para 75 anos, quase cinco anos a mais que a média mundial, mas as doenças que podem ser prevenidas continuam sendo o principal desafio regional, afirmou nesta terça-feira a Organização Pan-americana da Saúde (OPS).

A população ganhou 16 anos de vida em média nos últimos 45 anos, ou seja, praticamente dois anos a cada cinco, indicou o relatório Saúde nas Américas + 2017, a publicação da OPS que a cada cinco anos analisa as tendências, os desafios e as condições da saúde no continente.

No entanto, a região ainda precisa combater doenças não transmissíveis (DNT), como câncer, diabetes e enfermidades cardiovasculares e respiratórias, associadas a determinados estilos de vida e responsáveis por quatro em cada cinco mortes por ano.

Alimentação pouco saudável, atividade física insuficiente, tabagismo e consumo nocivo de álcool são os principais fatores de risco desses males, segundo a OPS, que prevê um aumento de casos de DNT nas próximas décadas devido ao crescimento da população, ao envelhecimento e à urbanização.

Vivemos mais anos de vida e morremos menos por causas que podemos evitar, mas esse ganho não foi equitativo, disse a diretora da OPS, Carissa F. Etienne, que fez um chamado a garantir as condições que determinam uma boa saúde, como o acesso à água potável, educação e moradia digna.

O relatório, apresentado na 29ª Conferência Sanitária Pan-americana da OPS, que acontece até sexta-feira em Washington, também apresenta a ameaça constante das doenças emergentes, fruto das mudanças ambientais e dos deslocamentos de populações.

Nos últimos anos, nossa região sofreu surtos de chikungunya, cólera, ebola, febre amarela, zika e outros eventos de saúde pública que puseram à prova nossa capacidade de preparação e resposta, disse Etienne.

O relatório da OPS, órgão regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), também destaca o desafio de lidar com as mudanças climáticas e suas repercussões na saúde física e mental.

- Obesidade, uma epidemia -

A OPS fez soar o alarme sobre a obesidade, um dos principais fatores de risco para DNTs.

Nas Américas, a região da OMS com a prevalência mais alta de sobrepeso e obesidade, a taxa é o dobro da média global: 26,8% em comparação com 12,9%, indicou o relatório, apontando as proporções epidêmicas deste mal não só em adultos (e particularmente em mulheres), mas também em crianças e adolescentes.

Necessitam-se políticas regulamentares para promover, apoiar e proteger a alimentação saudável, a restrição do marketing, a regulação da rotulagem e a aplicação de impostos às bebidas ricas em açúcar e a outros produtos processados e ultraprocessados com alto conteúdo de calorias, açúcar, gorduras e sódio, destacou a OPS.

Além disso, o relatório apontou que 15% da população maior de 18 anos (62 milhões) vive com diabetes, uma porcentagem que triplicou nos últimos dez anos.

Embora a mortalidade por doenças cardiovasculares tenha caído quase 20% em média em uma década, estas continuam sendo a principal causa de morte na região. O câncer provocou a morte de 1,3 milhão de pessoas em 2012, 45% delas com menos de 70 anos.

As lesões causadas por acidentes de trânsito, que causaram 12% das mortes em 2013, e as altas taxas de homicídios que colocam 18 países da América Latina e Caribe entre os 20 piores no mundo, são outros dos desafios a se enfrentar, indicou o relatório.

- O desafio de viver mais -

Segundo estimativas da OPS, 81% dos que nascem na América atualmente viverão até os 60 anos, enquanto 42% superarão os 80 anos. O relatório advertiu, no entanto, que este aumento da expectativa de vida não implica uma velhice sem deficiências e pediu aos sistemas de saúde que se adequem a este desafio.

O envelhecimento saudável normalmente não é identificado com a ausência de doenças, mas com a capacidade para o funcionamento autônomo, e para manter e conservar a qualidade de vida, indicou o relatório, que em 2015 situou a expectativa de vida saudável média nas Américas nos 65 anos.

Além do aumento da expectativa de vida, o relatório também destaca outros êxitos, como a redução de 24% da mortalidade infantil entre 2002 e 2013, a diminuição de 62% dos casos de malária entre 2000 e 2015, da lepra (10,1% a menos entre 2010 e 2014), e das mortes por aids (queda de 67% entre 2005 e 2015).

O texto ressalta, ainda, a eliminação da transmissão endêmica da rubéola (2015) e do sarampo (2016).

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212