Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Empresários são condenados por manter trabalho escravo no interior de SP - Jornal Brasil em Folhas
Empresários são condenados por manter trabalho escravo no interior de SP


Três empresários, Tadeu Estanislau Bannwart, Daniel Antonio Cinto e Maria Helena Cinto foram condenados por manter ao menos dez trabalhadores em condição análoga à de escravo na carvoaria de uma fazenda, no município de Pirajuí (SP). Entre as vítimas, está um homem de mais de 60 anos de idade.

Sócios no negócio de exploração de madeira, Tadeu Estanislau e Daniel Antonio foram condenados a cinco anos e dez meses de prisão, em regime inicial semiaberto.

A empresária Maria Helena que, segundo o Ministério Público Federal (MPF), comandou a empreitada por cerca de dois meses, teve a pena de três anos, sete meses e 22 dias de reclusão convertida em prestação de serviços comunitários pelo mesmo período, além do pagamento de R$ 5 mil.

“Muitas e graves foram as consequências do crime, eis que os trabalhadores ficaram sujeitos a longo período de trabalho em condições desumanas, muitos deles não receberam salário, eram privados de água potável e de locais adequados para as necessidades fisiológicas, além de dormirem em colchões colocados diretamente no chão e ficarem expostos a fezes de animais e em contato com animais mortos”, disse o juiz federal Joaquim Alves Pinto, na sentença,.

Os crimes ocorreram entre janeiro de 2007 e junho de 2008. De acordo com o MPF, as vítimas eram submetidas a condições degradantes e jornadas exaustivas de trabalho, além do não pagamento de salários. Fiscalização feita pelo Ministério do Trabalho e Emprego e pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) encontrou alojamentos sem espaços reservados para as necessidades fisiológicas.

Segundo a fiscalização, os dormitórios não tinham camas e faltava água potável. Alguns dos trabalhadores resgatados na fazenda relataram ao MPF que trabalhavam das 6h até o pôr do sol, sem descanso aos domingos e feriados. Uma das vítimas afirmou que sequer sabia distinguir o dia da semana e a hora do dia, uma vez que não possuía rádio, relógio ou celular. Também não havia pagamento de horas extras e adicional noturno.

A alimentação e mantimentos fornecidos eram cobrados dos trabalhadores e, mesmo equipamentos necessários ao trabalho, como a motosserra, eram descontados dos salários. Segundo o juiz federal, também ficou caracterizada a restrição da locomoção dos trabalhadores em virtude da falta de dinheiro.

“Por vezes, não recebiam pagamentos pelos serviços prestados e não havia outros meios de deixar o local, que era desprovido de transporte público. O vizinho mais próximo da fazenda reside a três quilômetros”, disse o juiz.

O advogado Edson Roberto Reis, que defende Bannwart, ressaltou que a condenação foi exagerada e que seu cliente não atuou no ramo de carvoaria. Ele irá recorrer da sentença. Já a defesa de Daniel Antonio Cinto e Maria Helena Cinto informou que ainda não foi notificada da decisão.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212