Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


11 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Temporada 2017 do Nobel tenta virar a página do episódio Bob Dylan - Jornal Brasil em Folhas
Temporada 2017 do Nobel tenta virar a página do episódio Bob Dylan


A temporada 2017 do Nobel começa na segunda-feira (2), em Estocolmo, com todos os olhares voltados ao prêmio de Literatura após o episódio Bob Dylan do ano passado e no da Paz, em um contexto de tensão pelas ambições nucleares da Coreia do Norte.

De Gabriel García Márquez a Bob Dylan, do fundador da Cruz Vermelha a Barack Obama, do descobridor dos raios X a Albert Einstein, 911 homens e mulheres da literatura, pesquisadores, médicos, economistas, dirigentes políticos e organizações foram premiados com o Nobel.

O prêmio foi criado em 1901 pelo inventor do dinamite, o sueco Alfred Nobel, para premiar em cinco disciplinas -literatura, paz, medicina, fisiologia, física e química- aos que no ano anterior deram a humanidade seus maiores serviços.

O Banco Central da Suécia acrescentou, por ocasião de seu tricentenário em 1968, um prêmio às ciências econômicas em homagem a Alfred Nobel.

A partir de segunda-feira, 2 de outubro serão conhecidos os homenageados de 2017. O Nobel da Paz será anunciado em 6 de outubro e o de literatura em 5 de outubro (ou no dia 12 se os membros da Academia Sueca não chegarem a um acordo antes).

- A paz na era nuclear -

O único Nobel que é entregue em Oslo, o da Paz, gera sem dúvida as maiores expectativas, mas também controvérsias.

Em 2016 o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, foi recompensado com essa distinção por seus esforços de paz em um país desgarrado por um conflito de mais de meio século.

Neste ano, 318 personalidades e organizações foram propostas.

A questão nuclear predomina nos prognósticos em meio à escalada entre Washington e Pyongyang depois do sexto teste nuclear norte-coreano, mas também pela incerteza do acordo com Irã, que o presidente americano Donald Trump ameaça romper.

O diretor do Instituto de Investigação para a Paz de Oslo (PRIO), Henrik Urdal, tende a apoiar que o prêmio seja dada a dois atores0chave desse acordo, a chefa da diplomacia europeia, Federica Mogherini, e o chanceler iraniano, Mohamad Javad Zarif.

Com a Coreia do Norte em jogo, é muito importante apoiar as iniciativas para proteger-se do desenvolvimento e a proliferação de armas nucleares, ressalta.

A identidade dos candidatos não é divulgada, mas aqueles que se apresentam ao comitê -legisladores e ministros de todos os países, ex-premiados, professores universitários- podem escolher revelar o nome de seu candidato.

Na lista deste ano estão todos os Capacetes Brancos sírios, o médico congolês Denis Mukwege, o blogueiro saudita preso Raef Badaui, e o americano Edward Snowden, que revelou a amplitude da vigilância maciça das agências americana.

Como nos tempos de George W. Bush, Donald Trump, que troca há semanas ameaças com o líder norte-coerano, foi sugerido por um compatriota, cuja identidade não foi revelada, que deseja que sua ideologia de paz pela força seja reconhecida.

- O oposto de Bob Dylan -

Para o prêmio de literatura, a Academia sueca mantém a lista em sigilo, restando apenas especulações.

Todo ano são cogitados os nomes de Don DeLillo (Estados Unidos) e Margaret Atwood (Canadá), Adonis (França/Líbano/Síria), Haruki Murakami (Japão) e Ngugi Wa Thiongo (Quênia).

Pode-se acrescentar Amoz Oz e David Grossmann (Israel), Claudio Magris (Itália), Ismael Kadaré (Albânia) e Michel Houellebecq (França).

Uma coisa parece certa, segundo os círculos literários em Estocolmo: a Academia sueca fará uma eleição consensual, clássica, para não dizer conservadora, depois de surpreender em 2016 premiando o cantor Bob Dylan.

O que aconteceu no ano passado foi realmente particular. Acho que neste ano teremos uma romancista ou um ensaísta, orginário da Europa. Exatamente o contrário de Bob Dylan, previu Björn Wiman, diretor das páginas culturais do jornal Dagens Nyheter.

O português Antonio Lobo Antunes e o albanês Ismail Kadaré têm sérias chances, segundo Wiman.

Cada prêmio tem uma recompensa de 9 milhões de coroas (940.000 euros) que podem ser compartilhadas com eventuais co-premiados. São entregues também uma medalha e um diploma em uma cerimônia em Estocolmo e Oslo em 10 de dezembro.

 

Últimas Notícias

Jornalista e radialista Laerte Junior morre aos 52 anos
Prazo para consolidar dívidas do Refis começa nesta segunda
Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
Receita libera hoje consulta a sétimo lote de restituição do IR 2018
Intenção de investimentos da indústria cresce 4,4 pontos
Mercado reduz estimativa de inflação pela sétima vez
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
Anatel apreende mais de 126 mil produtos não certificados

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212