Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Astrônomos mapeiam pela primeira vez poeira e bolhas na nebulosa Saturno - Jornal Brasil em Folhas
Astrônomos mapeiam pela primeira vez poeira e bolhas na nebulosa Saturno


Uma equipe internacional de astrônomos mapeou pela primeira vez a nebulosa Saturno e captou uma imagem das intricadas estruturas de sua poeira, que inclui bolhas, um halo e uma curiosa forma ondulada, iluminadas em tons de azul e rosa.

Segundo explicou o Observatório Europeu Do Sul (ESO) em um comunicado, foi possível chegar a essa imagem graças ao potente instrumento MUSE instalado no telescópio VLT (Very Large Telescope) do Observatório Paranal (Chile).

O mapa da nebulosa Saturno, aponta, ajudará os astrônomos a compreender como as nebulosas planetárias desenvolvem suas estranhas formas e simetrias e o seu papel na vida e na morte das estrelas de baixa massa.

A nebulosa Saturno está situada a cerca de 5 mil anos luz, na constelação de Aquário e seu nome deriva de sua estranha forma, parecida com o planeta.

Mas as nebulosas planetárias não têm nada a ver com os planetas; a nebulosa Saturno era originalmente uma estrela de baixa massa que se expandiu para o gigante vermelho ao final de sua vida e começou a liberar a matéria de suas camadas mais externas.

Esse material foi arrastado por fortes ventos estelares e excitado pela radiação ultravioleta gerada pelo quente núcleo que iam deixando atrás, criando uma nebulosa circunestrial de poeira e gás quente de cores vivas.

Na imagem capturada pela equipe liderada por Jeremy Walsh, da ESO, é possível ver que no coração da nebulosa Saturno estão os restos da estrela, que está em processo de se tornar uma anã branca.

A imagem revela também diversas estruturas na nebulosa, como uma bolha elíptica interior, uma bolha e camada exterior, um halo e uma zona em forma de onda na poeira.

Os astrônomos estudam agora, por exemplo, por que cai significativamente a quantidade de poeira na bolha interna, que é essencialmente uma onda expansiva que se estende.

Segundo acreditam, pode estar rompendo os grãos de poeira e destruindo-os, ou pode estar produzindo um efeito de aquecimento extraordinário que evapora a poeira.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212