Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Astrônomos mapeiam pela primeira vez poeira e bolhas na nebulosa Saturno - Jornal Brasil em Folhas
Astrônomos mapeiam pela primeira vez poeira e bolhas na nebulosa Saturno


Uma equipe internacional de astrônomos mapeou pela primeira vez a nebulosa Saturno e captou uma imagem das intricadas estruturas de sua poeira, que inclui bolhas, um halo e uma curiosa forma ondulada, iluminadas em tons de azul e rosa.

Segundo explicou o Observatório Europeu Do Sul (ESO) em um comunicado, foi possível chegar a essa imagem graças ao potente instrumento MUSE instalado no telescópio VLT (Very Large Telescope) do Observatório Paranal (Chile).

O mapa da nebulosa Saturno, aponta, ajudará os astrônomos a compreender como as nebulosas planetárias desenvolvem suas estranhas formas e simetrias e o seu papel na vida e na morte das estrelas de baixa massa.

A nebulosa Saturno está situada a cerca de 5 mil anos luz, na constelação de Aquário e seu nome deriva de sua estranha forma, parecida com o planeta.

Mas as nebulosas planetárias não têm nada a ver com os planetas; a nebulosa Saturno era originalmente uma estrela de baixa massa que se expandiu para o gigante vermelho ao final de sua vida e começou a liberar a matéria de suas camadas mais externas.

Esse material foi arrastado por fortes ventos estelares e excitado pela radiação ultravioleta gerada pelo quente núcleo que iam deixando atrás, criando uma nebulosa circunestrial de poeira e gás quente de cores vivas.

Na imagem capturada pela equipe liderada por Jeremy Walsh, da ESO, é possível ver que no coração da nebulosa Saturno estão os restos da estrela, que está em processo de se tornar uma anã branca.

A imagem revela também diversas estruturas na nebulosa, como uma bolha elíptica interior, uma bolha e camada exterior, um halo e uma zona em forma de onda na poeira.

Os astrônomos estudam agora, por exemplo, por que cai significativamente a quantidade de poeira na bolha interna, que é essencialmente uma onda expansiva que se estende.

Segundo acreditam, pode estar rompendo os grãos de poeira e destruindo-os, ou pode estar produzindo um efeito de aquecimento extraordinário que evapora a poeira.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212