Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Planejamento vai liberar mais recursos para custeio de órgãos do governo - Jornal Brasil em Folhas
Planejamento vai liberar mais recursos para custeio de órgãos do governo


O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão deve liberar cerca de R$ 3 bilhões nas próximas semanas para o custeio de órgãos do governo federal. A informação é do ministro Dyogo Oliveira, que participou hoje (3) do Simpósio Economia, Regulação e Saúde Suplementar, promovido na Fundação Getúlio Vargas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, no Rio de Janeiro.

Nesta terça-feira, o ministério publicou portaria no Diário Oficial da União com a liberação de R$ 9,8 bilhões, que são parte do desbloqueio de R$ 12,8 bilhões anunciado em 22 de setembro. O restante dos recursos depende de peculiaridades de cada órgão, de acordo com o ministro.

Os valores serão liberados nas próximas semanas, e, em geral, têm a ver com as peculiaridades de cada órgão. Alguns vão depender de ajustes nas dotações orçamentárias, definição dos detalhes de para onde vão os recursos. Isso a gente vai divulgar nas próximas semanas, disse o ministro.

Os recursos ficaram disponíveis depois que o Congresso Nacional aprovou o aumento da meta de déficit primário, de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões.

São recursos basicamente para manter o funcionamento dos órgãos em situação regular e para manter em andamento as obras, explicou o ministro.

BNDES

Dyogo Oliveira afirmou que o caixa do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem volume considerável de recursos que permite a devolução à União de R$ 33 bilhões já aprovados, sem que isso prejudique a capacidade de oferta de crédito do banco.

Os recursos foram emprestados pela União ao banco nos governos anteriores, e uma antecipação do pagamento tem sido negociada. Para o ano que vem, mais recursos devem ser devolvidos.

Não precisamos definir os 130 bilhões do ano que vem agora. Podemos esperar até o fim do ano para avaliar a capacidade de caixa do BNDES, disse o ministro. Segundo ele, qualquer decisão respeitará o papel institucional do banco de fomento. Vamos olhar o que tem no caixa e qual é a necessidade do BNDES de atender à demanda por crédito no ano que vem. Face a isso é que vamos avaliar o valor.

Previdência

Em sua palestra, o ministro defendeu que a saúde vai exigir mais recursos, nos próximos anos, porque a população brasileira está envelhecendo rapidamente, e a inflação do setor é maior que a média da economia.

Solucionar a questão, em um cenário de controle de gastos, segundo ele, requer a aprovação da reforma da Previdência, para que recursos que se destinam a essa área do Orçamento fiquem disponíveis.

Não há muito espaço para avançar no orçamento para a saúde sem abrir espaço com a reforma da Previdência, defendeu.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212