Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Planejamento vai liberar mais recursos para custeio de órgãos do governo - Jornal Brasil em Folhas
Planejamento vai liberar mais recursos para custeio de órgãos do governo


O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão deve liberar cerca de R$ 3 bilhões nas próximas semanas para o custeio de órgãos do governo federal. A informação é do ministro Dyogo Oliveira, que participou hoje (3) do Simpósio Economia, Regulação e Saúde Suplementar, promovido na Fundação Getúlio Vargas pela Agência Nacional de Saúde Suplementar, no Rio de Janeiro.

Nesta terça-feira, o ministério publicou portaria no Diário Oficial da União com a liberação de R$ 9,8 bilhões, que são parte do desbloqueio de R$ 12,8 bilhões anunciado em 22 de setembro. O restante dos recursos depende de peculiaridades de cada órgão, de acordo com o ministro.

Os valores serão liberados nas próximas semanas, e, em geral, têm a ver com as peculiaridades de cada órgão. Alguns vão depender de ajustes nas dotações orçamentárias, definição dos detalhes de para onde vão os recursos. Isso a gente vai divulgar nas próximas semanas, disse o ministro.

Os recursos ficaram disponíveis depois que o Congresso Nacional aprovou o aumento da meta de déficit primário, de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões.

São recursos basicamente para manter o funcionamento dos órgãos em situação regular e para manter em andamento as obras, explicou o ministro.

BNDES

Dyogo Oliveira afirmou que o caixa do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem volume considerável de recursos que permite a devolução à União de R$ 33 bilhões já aprovados, sem que isso prejudique a capacidade de oferta de crédito do banco.

Os recursos foram emprestados pela União ao banco nos governos anteriores, e uma antecipação do pagamento tem sido negociada. Para o ano que vem, mais recursos devem ser devolvidos.

Não precisamos definir os 130 bilhões do ano que vem agora. Podemos esperar até o fim do ano para avaliar a capacidade de caixa do BNDES, disse o ministro. Segundo ele, qualquer decisão respeitará o papel institucional do banco de fomento. Vamos olhar o que tem no caixa e qual é a necessidade do BNDES de atender à demanda por crédito no ano que vem. Face a isso é que vamos avaliar o valor.

Previdência

Em sua palestra, o ministro defendeu que a saúde vai exigir mais recursos, nos próximos anos, porque a população brasileira está envelhecendo rapidamente, e a inflação do setor é maior que a média da economia.

Solucionar a questão, em um cenário de controle de gastos, segundo ele, requer a aprovação da reforma da Previdência, para que recursos que se destinam a essa área do Orçamento fiquem disponíveis.

Não há muito espaço para avançar no orçamento para a saúde sem abrir espaço com a reforma da Previdência, defendeu.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212