Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Google, Facebook e Twitter são chamados a depor sobre suposta ingerência russa - Jornal Brasil em Folhas
Google, Facebook e Twitter são chamados a depor sobre suposta ingerência russa


O Comitê de Inteligência do Senado pediu às empresas de alta tecnologia Google, Facebook e Twitter que testemunhem sobre a interferência russa na política dos EUA, confirmou um assessor do Senado nesta quarta-feira.

Os três gigantes da internet e da mídia social online deverão comparecer no dia 1º de novembro a uma audiência pública sobre a crescente evidência de que foram usados secretamente em uma campanha para ajudar Donald Trump a vencer a presidência.

Antes disso, eles também podem testemunhar no Comitê de Inteligência da Câmara: os representantes Mike Conaway e Adam Schiff, que lideraram a comissão que investiga a possível ingerência Rússia, anunciaram nesta quarta-feira que também convidaram representantes das empresas tecnológicas para testemunhar sobre a manipulação russa.

O Congresso e o povo americano precisam ouvir esta importante informação diretamente dessas empresas, disseram.

O Facebook revelou recentemente que, por apenas US$ 100.000, os aparentes compradores vinculados à Rússia colocaram cerca de 3.000 anúncios em suas páginas no ano passado a fim de influenciar as eleições.

O site de relacionamentos disponibilizou os detalhes desses anúncios para os investigadores. De acordo com os relatórios, os anúncios procuraram estimular rivais democratas e republicanos de Hillary Clinton, além de semear a discórdia entre os americanos em relação à base da candidata.

A grande maioria dos anúncios administrados por essas contas não mencionou especificamente a eleição presidencial dos EUA ou um candidato em particular, disse o diretor de segurança da empresa, Alex Stamos, no início deste mês.

Em vez disso, os anúncios e as contas parecem se concentrar na divulgação de mensagens sociais e políticas polarizadas em todo o espectro ideológico - em assuntos LGBT e questões raciais, imigração e porte de armas.

A Google disse que não foi usado na suposta campanha russa para dirigir as eleições dos EUA.

Mas de acordo com a Buzzfeed, seu sistema automatizado de segmentação de anúncios permite que os anunciantes direcionem anúncios para pessoas que usam termos de pesquisa racistas e antissemitas.

O Twitter, entretanto, mostrou ser um território propício para contas e notícias falsas que permitiram que supostos agentes russos viralizasse tuítes politicamente polarizados e contra Hillary Clinton.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212