Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Partido de Rajoy lembra presidente catalão detido e fuzilado pelo franquismo - Jornal Brasil em Folhas
Partido de Rajoy lembra presidente catalão detido e fuzilado pelo franquismo


Um porta-voz do partido do chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, gerou polêmica nesta segunda-feira (9) ao advertir que o presidente catalão poderá terminar como um antecessor que proclamou o Estado catalão, foi detido em 1934 e posteriormente fuzilado pelo franquismo.

Sorridente, Pablo Casado, vice-secretário de comunicações do Partido Popular, afirmou em referência aos separatistas catalães: a história não tem que ser repetida, esperemos que amanhã não se declare nada, porque quem declarar (um Estado independente) acabará como o que declarou há 83 anos.

Em 6 de outubro de 1934, o então presidente catalão Lluís Companys, da esquerda republicana, proclamou o efêmero Estado catalão da república federal da Espanha durante uma dezena de horas.

Detido e condenado a 30 anos de prisão, foi anistiado em fevereiro de 1936 após a vitória do Frente Popular, e voltou a ser presidente da Catalunha ao fim da Guerra Civil espanhola (1936-1939).

Refugiado na França, Companys foi detido em 1940 pela Gestapo, polícia secreta da Alemanha nazista, e fuzilado em Barcelona por militares de Franco.

Uma jornalista perguntou imediatamente a Casado se ele se referia à detenção ou à execução de Companys.

O que para eles parece uma data épica, que é a declaração de independência, teve uma contestação, afirmou Casado, ressaltando: eu não sou um historiador, muito menos futurólogo.

Peço licença de fazer uma referência ao que aconteceu na sexta-feira (o aniversário da declaração de independência por Companys), que eles lembraram muito, pensando que iria convergir com a sua declaração, acrescentou.

O presidente separatista de Catalunha, Carles Puigdemont, comparecerá na terça-feira no Parlamento catalão e segundo várias fontes poderia fazer uma declaração unilateral de independência.

A declaração de Casado provocou imediatamente comoção na Catalunha, onde a televisão pública a difundia como a frase do dia. Foi um dos temas mais discutidos na rede social Twitter, onde o debate rapidamente se espalhou.

O debate sobre o futuro da Catalunha fez ressurgir a história mal digerida da Guerra Civil espanhola e da ditadura de Francisco Franco (1939-1975), que foi particularmente dura com a Catalunha.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212