Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Partido de Rajoy lembra presidente catalão detido e fuzilado pelo franquismo - Jornal Brasil em Folhas
Partido de Rajoy lembra presidente catalão detido e fuzilado pelo franquismo


Um porta-voz do partido do chefe de governo espanhol, Mariano Rajoy, gerou polêmica nesta segunda-feira (9) ao advertir que o presidente catalão poderá terminar como um antecessor que proclamou o Estado catalão, foi detido em 1934 e posteriormente fuzilado pelo franquismo.

Sorridente, Pablo Casado, vice-secretário de comunicações do Partido Popular, afirmou em referência aos separatistas catalães: a história não tem que ser repetida, esperemos que amanhã não se declare nada, porque quem declarar (um Estado independente) acabará como o que declarou há 83 anos.

Em 6 de outubro de 1934, o então presidente catalão Lluís Companys, da esquerda republicana, proclamou o efêmero Estado catalão da república federal da Espanha durante uma dezena de horas.

Detido e condenado a 30 anos de prisão, foi anistiado em fevereiro de 1936 após a vitória do Frente Popular, e voltou a ser presidente da Catalunha ao fim da Guerra Civil espanhola (1936-1939).

Refugiado na França, Companys foi detido em 1940 pela Gestapo, polícia secreta da Alemanha nazista, e fuzilado em Barcelona por militares de Franco.

Uma jornalista perguntou imediatamente a Casado se ele se referia à detenção ou à execução de Companys.

O que para eles parece uma data épica, que é a declaração de independência, teve uma contestação, afirmou Casado, ressaltando: eu não sou um historiador, muito menos futurólogo.

Peço licença de fazer uma referência ao que aconteceu na sexta-feira (o aniversário da declaração de independência por Companys), que eles lembraram muito, pensando que iria convergir com a sua declaração, acrescentou.

O presidente separatista de Catalunha, Carles Puigdemont, comparecerá na terça-feira no Parlamento catalão e segundo várias fontes poderia fazer uma declaração unilateral de independência.

A declaração de Casado provocou imediatamente comoção na Catalunha, onde a televisão pública a difundia como a frase do dia. Foi um dos temas mais discutidos na rede social Twitter, onde o debate rapidamente se espalhou.

O debate sobre o futuro da Catalunha fez ressurgir a história mal digerida da Guerra Civil espanhola e da ditadura de Francisco Franco (1939-1975), que foi particularmente dura com a Catalunha.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212