Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Atirador de Las Vegas era um incorrigível jogador de pôquer (documentos) - Jornal Brasil em Folhas
Atirador de Las Vegas era um incorrigível jogador de pôquer (documentos)


O atirador que executou o massacre de Las Vegas, Stephen Paddock, era um incorrigível jogador de pôquer que tratava a sua ansiedade com diazepam (Valium), de acordo com documentos de 2013 publicados nesta segunda-feira pela emissora CNN.

Em outubro de 2011, Paddock escorregou no chão molhado do hotel cassino Cosmopolitan de Las Vegas. Dois anos depois, apresentou uma ação contra o estabelecimento para a qual entregou ao seu advogado uma declaração de 97 páginas, obtida pela CNN e entregue ao FBI (a Polícia Federal americana).

Em 1º de outubro, o homem abriu fogo contra os espectadores de um festival de música country na mesma cidade, matando 58 pessoas e ferindo mais de 500 no tiroteio mais mortal da história recente americana.

Na declaração, se mostrava como um aposentado rico, avarento e arrogante, convertido em um grande jogador de pôquer que fazia viagens pelos cassinos do país.

Afirmou ter sido em um momento o maior jogador de pôquer eletrônico do mundo.

Ninguém jogou tanto tempo como eu, escreveu para seu advogado, assegurando que em 2006 jogou uma média de 14 horas por dia, os 365 dias do ano.

Jogava a noite toda (...), dormia durante o dia, acrescentou, assinalando que não bebia álcool em frente à máquina porque com as apostas tinha que ter todos os sentidos em alerta.

O aposentado, que construiu sua fortuna graças aos negócios imobiliários, ganhava entre 100 e 1.350 dólares por aposta, e podia gastar até um milhão de dólares por noite. O que, para ele, não era muito dinheiro.

Naquele momento, Paddock dividia o seu tempo entre Califórnia, Nevada, Texas e Flórida, às vezes viajando até três semanas por mês. Vivia nos cassinos que lhe ofereciam quartos grátis 95% do tempo, em sua qualidade de grande apostador.

Para jogar, usava uma simples calça esportiva preta e chinelos. Também levava a própria bebida para a máquina a fim de evitar dar muita gorjeta para as garçonetes.

Em seu depoimento indicou que não sofria de doenças mentais ou vícios e que não tinha antecedentes criminais. No entanto, admitiu diminuir a ansiedade tomando Valium, remédio prescrito por um médico a quem pagava anualmente para poder se consultar quando quisesse.

Também forneceu alguns elementos biográficos. Contou que cresceu na Califórnia, que fez o Ensino Médio no bairro de Sun Valley de Los Angeles e que durante um tempo trabalhou para o departamento de impostos, antes de investir em imóveis.

Além disso, Paddock especificou que tinha permissão emitida no Texas de porte de armas sob condição de permanecerem escondidas.

Segundo a CNN, não ganhou a ação contra o Cosmopolitan.

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio entrega título de Cidadã Goiana a cantora Joelma
Fundo Nacional do Idoso é aprovado na Câmara
Aval do TCU é suficiente para cessão onerosa, dizem técnicos da Corte
Acordo possibilitará investimentos privados em segurança pública
Vazamento de óleo afetará reprodução da fauna em mangue, diz ONG
Temer e Bolsonaro lamentam tragédia em Campinas
Jungmann coloca PF à disposição para apuração de caso de Campinas
Ministro da Cultura inicia comemorações aos 200 anos da independência

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212