Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 De Guindos: bancos que saírem da Catalunha continuarão sob guarda-chuva do BCE - Jornal Brasil em Folhas
De Guindos: bancos que saírem da Catalunha continuarão sob guarda-chuva do BCE


O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, garantiu, nesta segunda-feira (9), que os clientes dos bancos que decidiram migrar sua sede social para fora da Catalunha podem ficar tranquilos, pois as instituições continuarão sob o guarda-chuva do Banco Central Europeu (BCE).

São bancos que sempre vão estar no guarda-chuva do BCE e, evidentemente, isso é muito, muito, muito importante, dadas as circunstâncias atuais, afirmou De Guindos, chegando a uma reunião de ministros das Finanças da zona do euro em Luxemburgo.

Após o referendo de autodeterminação celebrado na Catalunha em 1º de outubro, apesar da proibição da Justiça e com uma declaração de independência no horizonte, grandes bancos catalães, como CaixaBank, ou Sabadell, anunciaram a mudança de suas sedes sociais para outras regiões.

De acordo com De Guindos, essas decisões tomadas livremente não se devem à possibilidade de independência que, a seu ver, não vai acontecer, mas a uma política irracional, radical e que leva a um empobrecimento da Catalunha por parte do governo regional.

O ministro reconheceu que a situação da Catalunha é um elemento de incerteza, um foco de preocupação para a Espanha, apesar de ter reiterado que a economia espanhola vai crescer mais de 3% em 2017.

De Guindos deu essas declarações antes de uma reunião do Eurogrupo e em meio a incertezas, na véspera do discurso do presidente catalão, o separatista Carles Pigdemont, no Parlamento regional, nesta terça-feira.

Chegando à reunião, o comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, pediu diálogo para que a Espanha chegue a uma solução, destacando o respeito à ordem legal no país, onde o Tribunal Constitucional suspendeu o referendo.

Todo político legitimado democraticamente está vinculado pelos fundamentos do Direito e da Constituição, indicou o influente ministro alemão Wolfgang Schäuble, para quem isso é verdade na Alemanha, na Europa e, provavelmente, na Espanha.

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, descartou se pronunciar, garantindo que se trata de um assunto interno da Espanha. Essa também é a opinião do ministro belga das Finanças, Johan van Overtveldt.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212