Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 De Guindos: bancos que saírem da Catalunha continuarão sob guarda-chuva do BCE - Jornal Brasil em Folhas
De Guindos: bancos que saírem da Catalunha continuarão sob guarda-chuva do BCE


O ministro espanhol da Economia, Luis de Guindos, garantiu, nesta segunda-feira (9), que os clientes dos bancos que decidiram migrar sua sede social para fora da Catalunha podem ficar tranquilos, pois as instituições continuarão sob o guarda-chuva do Banco Central Europeu (BCE).

São bancos que sempre vão estar no guarda-chuva do BCE e, evidentemente, isso é muito, muito, muito importante, dadas as circunstâncias atuais, afirmou De Guindos, chegando a uma reunião de ministros das Finanças da zona do euro em Luxemburgo.

Após o referendo de autodeterminação celebrado na Catalunha em 1º de outubro, apesar da proibição da Justiça e com uma declaração de independência no horizonte, grandes bancos catalães, como CaixaBank, ou Sabadell, anunciaram a mudança de suas sedes sociais para outras regiões.

De acordo com De Guindos, essas decisões tomadas livremente não se devem à possibilidade de independência que, a seu ver, não vai acontecer, mas a uma política irracional, radical e que leva a um empobrecimento da Catalunha por parte do governo regional.

O ministro reconheceu que a situação da Catalunha é um elemento de incerteza, um foco de preocupação para a Espanha, apesar de ter reiterado que a economia espanhola vai crescer mais de 3% em 2017.

De Guindos deu essas declarações antes de uma reunião do Eurogrupo e em meio a incertezas, na véspera do discurso do presidente catalão, o separatista Carles Pigdemont, no Parlamento regional, nesta terça-feira.

Chegando à reunião, o comissário europeu de Assuntos Econômicos, Pierre Moscovici, pediu diálogo para que a Espanha chegue a uma solução, destacando o respeito à ordem legal no país, onde o Tribunal Constitucional suspendeu o referendo.

Todo político legitimado democraticamente está vinculado pelos fundamentos do Direito e da Constituição, indicou o influente ministro alemão Wolfgang Schäuble, para quem isso é verdade na Alemanha, na Europa e, provavelmente, na Espanha.

O presidente do Eurogrupo, o holandês Jeroen Dijsselbloem, descartou se pronunciar, garantindo que se trata de um assunto interno da Espanha. Essa também é a opinião do ministro belga das Finanças, Johan van Overtveldt.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212