Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Vice-presidente catalão adverte que independência é a base do diálogo - Jornal Brasil em Folhas
Vice-presidente catalão adverte que independência é a base do diálogo


O número dois do governo catalão, Oriol Junqueras, advertiu neste sábado que a oferta de diálogo formulada a Madri deve ter como referência a independência futura da região, o que fecha um pouco mais a porta para um entendimento entre as partes.

A Catalunha está na expectativa, a poucas horas do fim do prazo, na manhã de segunda-feira, dado pelo governo do primeiro-ministro Mariano Rajoy ao presidente catalão, o independentista Carles Puigdemont.

O governante catalão deve esclarecer se declarou ou não, na terça-feira passada, a secessão durante um discurso no Parlamento regional. Na ocasião, Puigdemont provocou um grande desconcerto, pois declarou unilateralmente a independência mas a suspendeu de modo imediato, como gesto de boa vontade para propiciar um diálogo ou uma mediação internacional.

Caso ele responda na segunda-feira a Rajoy que declarou a independência, terá até quinta-feira para retificar: caso isto não aconteça, o governo espanhol está disposto a intervir na ampla autonomia da Catalunha, com o uso do artigo 155 da Constituição.

A medida, nunca aplicada em 40 anos de democracia na Espanha, pode resultar nos protestos de milhares de independentistas, que aguardam com ansiedade o desenrolar dos acontecimentos.

Neste contexto, Junqueras afirmou neste sábado à direção do partido que preside, Esquerra Republicana de Catalunya, que a melhor maneira de fazer a República, de fazer a independência, é poder fazê-la dialogando com todos, como mínimo com a comunidade internacional.

No entanto, para que o diálogo tenha alguma expectativa de frutificar (...) precisa ter como referência a construção da República e nosso compromisso com a independência.

Os independentistas se amparam no referendo de autodeterminação de 1 de outubro, proibido pela justiça espanhola. Apesar de não ter contado com as exigências habituais (ausência de comissão eleitoral e sem garantia de voto secreto), o governo catalão o considera valido e afirma que 90% das pessoas votaram sim à independência, com uma participação de 43%.

Neste sentido, Junqueras manifestou o apoio de seu partido ao presidente Puigdemont para que cumpra o mandato de 1 de outubro, que é o mandato de constituir a República Catalã.

Para o partido de extrema-esquerda CUP, aliado chave do governo catalão, o diálogo com Madri é impossível.

Não há diálogo possível, não há mediação possível, disse à imprensa em Barcelona Núria Gibert, porta-voz do secretariado nacional da Candidatura de Unidade Popular.

Ela criticou a estratégia do presidente regional.

- Madri quer resposta clara -

Puigdemont se encontra sob intensa pressão.

Ele e seu governo são investigados pela justiça espanhola por supostos delitos como o de desobediência. Ao mesmo tempo são pressionados pelos empresários catalães, que diante da incerteza política retiraram da região a sede social de empresas importantes, como Gas Natural ou os bancos Caixabank e Sabadell.

Entre 2 e 11 de outubro, 540 empresas mudaram a sede social.

Ao mesmo tempo, a ala mais dura dos separatistas o incentiva a apresentar uma declaração formal e inequívoca de independência para fortalecer sua posição ante o Executivo central e a comunidade internacional.

Neste sábado, o ministro espanhol do Interior, Juan Ignacio Zoido, deixou claro que o governo de Rajoy não aceitará uma resposta confusa ao requerimento.

Se responder de modo ambíguo, isto significará que não quer o diálogo e, portanto, o governo da Espanha, o governo de Mariano Rajoy, que estendeu a mão de maneira muito sincera, terá que aplicar as medidas correspondentes, declarou o ministro.

Xavier García Albiol, líder do Partido Popular na Catalunha (que governa a Espanha mas é minoritário na região) se mostrou favorável a aproveitar o artigo 155 para intervir em competências delicadas, como a educação pública e a polícia regional catalã.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212