Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


11 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Anestesia peridural não desacelera o parto (estudo) - Jornal Brasil em Folhas
Anestesia peridural não desacelera o parto (estudo)


A administração de analgésicos por via peridural não desacelera o trabalho de parto, segundo um estudo americano publicado nesta terça-feira, que desmente uma crença popular.

A pesquisa, publicada pela revista médica Obstetrics and Gynecology, sugere que a prática, habitual nos hospitais, de interromper a peridural ou reduzir seus efeitos no final do trabalho de parto poderia ser obsoleta e imprudente.

A anestesia peridural, que leva medicamentos às zonas nervosas da coluna vertebral através de um cateter, é amplamente utilizada no mundo todo desde os anos 1970 para reduzir as dores durante o parto.

Para o estudo, 400 mulheres concordaram em receber uma peridural no início do trabalho de parto e depois, eventualmente e sem seu conhecimento, continuar recebendo a anestesia ou passar a receber um placebo.

Nenhum dos participantes no experimento (grávidas, pesquisadores, obstetras e parteiras) sabia o que estava sendo administrado pelo cateter, um método de ensaio conhecido como duplo-cego, a fim de assegurar a confiabilidade e a imparcialidade do estudo.

Quanto mais dura o trabalho de parto, mas este apresenta riscos, sobretudo para a saúde do bebê. Para evitar essas complicações, os obstetras com frequência decidem interromper a peridural.

Os resultados do estudo indicam que, com ou sem a anestesia, a duração do parto é similar: 52 minutos para as mulheres que receberam a peridural e 51 para aquelas que receberam a solução salina, uma diferença de 3,3%.

A peridural também não tem efeitos sobre a saúde ou a posição do bebê ao nascer, a taxa de partos por via natural e qualquer outra medida de bem-estar do recém-nascido, aponta o estudo.

O estudo precisou ser interrompido em 38 casos (21 com peridural e 17 com placebo) por diversas complicações.

Como estava previsto, as mulheres que deixaram de receber a peridural tiveram um fim de parto mais doloroso.

Duas vezes mais mulheres que receberam o placebo relataram menor satisfação com o alívio da dor em comparação com aquelas que receberam o anestésico, disse o autor principal do estudo, Philip Hess, professor da Escola de Medicina de Harvard, pedindo mais pesquisas sobre o assunto.

Nós não vimos nenhum efeito negativo, mas a analgesia peridural na segunda etapa do trabalho permanece controversa e merece estudos complementares.

 

Últimas Notícias

Jornalista e radialista Laerte Junior morre aos 52 anos
Prazo para consolidar dívidas do Refis começa nesta segunda
Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
Receita libera hoje consulta a sétimo lote de restituição do IR 2018
Intenção de investimentos da indústria cresce 4,4 pontos
Mercado reduz estimativa de inflação pela sétima vez
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
Anatel apreende mais de 126 mil produtos não certificados

MAIS NOTICIAS

 

Novo crediário para cartão é estudado para 2019, diz Febraban
 
 
Demanda por bens industriais cresce 0,3% em outubro
 
 
Diálogo Brasil debate projeto Escola sem Partido
 
 
Brasileiro é eleito para Associação Internacional de Seguridade Social
 
 
Polícia e MP de Goiás vão apurar denúncias contra médium João de Deus
 
 
ONG homenageia policiais militares mortos no estado do Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212