Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Anestesia peridural não desacelera o parto (estudo) - Jornal Brasil em Folhas
Anestesia peridural não desacelera o parto (estudo)


A administração de analgésicos por via peridural não desacelera o trabalho de parto, segundo um estudo americano publicado nesta terça-feira, que desmente uma crença popular.

A pesquisa, publicada pela revista médica Obstetrics and Gynecology, sugere que a prática, habitual nos hospitais, de interromper a peridural ou reduzir seus efeitos no final do trabalho de parto poderia ser obsoleta e imprudente.

A anestesia peridural, que leva medicamentos às zonas nervosas da coluna vertebral através de um cateter, é amplamente utilizada no mundo todo desde os anos 1970 para reduzir as dores durante o parto.

Para o estudo, 400 mulheres concordaram em receber uma peridural no início do trabalho de parto e depois, eventualmente e sem seu conhecimento, continuar recebendo a anestesia ou passar a receber um placebo.

Nenhum dos participantes no experimento (grávidas, pesquisadores, obstetras e parteiras) sabia o que estava sendo administrado pelo cateter, um método de ensaio conhecido como duplo-cego, a fim de assegurar a confiabilidade e a imparcialidade do estudo.

Quanto mais dura o trabalho de parto, mas este apresenta riscos, sobretudo para a saúde do bebê. Para evitar essas complicações, os obstetras com frequência decidem interromper a peridural.

Os resultados do estudo indicam que, com ou sem a anestesia, a duração do parto é similar: 52 minutos para as mulheres que receberam a peridural e 51 para aquelas que receberam a solução salina, uma diferença de 3,3%.

A peridural também não tem efeitos sobre a saúde ou a posição do bebê ao nascer, a taxa de partos por via natural e qualquer outra medida de bem-estar do recém-nascido, aponta o estudo.

O estudo precisou ser interrompido em 38 casos (21 com peridural e 17 com placebo) por diversas complicações.

Como estava previsto, as mulheres que deixaram de receber a peridural tiveram um fim de parto mais doloroso.

Duas vezes mais mulheres que receberam o placebo relataram menor satisfação com o alívio da dor em comparação com aquelas que receberam o anestésico, disse o autor principal do estudo, Philip Hess, professor da Escola de Medicina de Harvard, pedindo mais pesquisas sobre o assunto.

Nós não vimos nenhum efeito negativo, mas a analgesia peridural na segunda etapa do trabalho permanece controversa e merece estudos complementares.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212