Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Comemoração de Cristóvão Colombo é questionada nos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Comemoração de Cristóvão Colombo é questionada nos EUA


Como em outras cidades dos Estados Unidos, Nova York se pergunta se ainda é possível comemorar o Columbus Day, em homenagem ao descobridor da América, Cristóvão Colombo, em meio ao debate sobre a história e o racismo no país.

Viemos para o final de semana e trouxemos nossos filhos: queremos ver o desfile e as estátuas antes que deixem de existir, disse Ruth Edelstein-Friedman, que viajou de Miami para assistir ao desfile do Columbus Day na 5ª Avenida, que recorda a chegada do navegador genovês às Bahamas, em outubro de 1492.

Para ela e seu marido, Eduardo, o que acontecerá no futuro está claro: após a polêmica sobre os símbolos confederados, que levou à retirada das estátuas de generais sudistas consideradas como recordações da escravidão e do racismo, acabarão as homenagens a Colombo, percebido como a encarnação do genocídio sofrido pelos povos indígenas das Américas.

Mas até o momento ninguém anunciou o fim do desfile em Nova York, que a cada ano reúne mais de um milhão de pessoas para celebrar não apenas o navegante genovês, mas a poderosa comunidade ítalo-americana, representada no mais alto nível pelo prefeito Bill de Blasio e o governador do estado de Nova York, Andrew Cuomo.

Em contraste com o entusiasmo de Nova York com Colombo, dezenas de cidades americanas estão substituindo o Columbus Day - que desde 1937 é feriado nacional - por um dia de homenagem aos povos indígenas.

Berkeley, um bastião da esquerda na Califórnia, foi a primeira cidade a tomar tal decisão, seguida por mais de 50 cidades, incluindo Los Angeles, que em agosto decidiu por votação trocar Colombo pelos indígenas.

Mas até mesmo em Nova York a memória de Colombo está ameaça. Estátuas são pichadas ou alvo de protestos que recordam o genocídio e a escravidão dos povos descobertos pelo navegador no Novo Mundo.

Nas redes sociais, são cada vez mais numerosas as mensagens a favor da remoção das estátuas e do fim das homenagens, mas há também os que criticam o revisionismo da história.

Após os atos de violência cometidos por grupos neonazistas em Charlottesville e o posterior debate sobre os símbolos do racismo, o prefeito de Nova York designou em agosto uma comissão encarregada de decidir o que fazer com os monumentos mais polêmicos.

O parecer da comissão, anunciou Di Blasio, será conhecido no início de dezembro, um mês após as eleições municipais, na qual o prefeito tentará a reeleição.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212