Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Dyogo Oliveira diz que vitória de estrangeiras favorece exploração do pré-sal - Jornal Brasil em Folhas
Dyogo Oliveira diz que vitória de estrangeiras favorece exploração do pré-sal


A vitória de empresas estrangeiras nos leilões de exploração do pré-sal reforça o acerto do fim da Petrobras como operadora única dos poços, escreveu o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, em uma sequência de comentários na rede social Twitter. Ele postou que a abertura da concorrência favorece a exploração da camada do pré-sal e contribui para a criação de empregos.

“A vitória de empresas estrangeiras reforça o acerto em abrir o leilão para a participação de outros operadores explorarem o pré-sal sem a Petrobras”, escreveu o ministro. Ele destacou que, das oito áreas ofertadas, três foram arrematadas por consórcios liderados pela Petrobras e três ficaram nas mãos de petroleiras estrangeiras.

Segundo o ministro, o resultado da segunda e terceira rodadas dos leilões, que arrecadou R$ 6,15 bilhões, com ágio médio de 264,4%, foi bem-sucedido, com percentuais elevados de participação do óleo que ficarão nas mãos do Estado.

“O resultado contribuirá na geração de empregos de alta complexidade, renda e é demonstração de confiança das empresas nacionais e internacionais”, destacou o ministro. Dyogo Oliveira, no entanto, disse que a União poderia arrecadar mais no curto prazo, caso o regime fosse de concessão, não de partilha.

“No entanto, o modelo utilizado no leilão, que é o regime de partilha, não favorece recuperação de receita para União este ano em favor do recebimento de petróleo no futuro”, concluiu o ministro Dyogo Oliveira.

No regime de concessão, usado nos poços tradicionais de petróleo, o consórcio vencedor é dono de todo o petróleo extraído, mas paga royalties e participação especial ao governo. No regime de partilha, o Estado é dono da maior parte do petróleo extraído e só recebe o dinheiro ao vender o combustível no mercado. As empresas ficam apenas com o óleo necessário para cobrir os custos de exploração e de uma parcela do lucro.

CNI

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) considerou positivo o resultado dos leilões do pré-sal. Para a entidade, o sucesso nos leilões fortalece a economia do país. “O resultado dos leilões confirma o potencial do Brasil para investimentos estrangeiros na área de petróleo e colabora para a recuperação da economia brasileira e a retomada dos empregos”, destacou a confederação em nota.

Para a CNI, o fim da obrigatoriedade de a Petrobras ser a operadora única na área do pré-sal favoreceu a concorrência e elevou a arrecadação dos leilões. “Mesmo com os baixos preços do petróleo, em razão da sobreoferta, os campos ofertados no pré-sal são atraentes para o capital estrangeiro em razão do alto potencial de produtividade”, concluiu a nota da entidade.

Firjan

Para o Sistema Firjan, os leilões do pré-sal confirmaram o início de um novo ciclo de investimentos e reforçaram a disposição do governo brasileiro com o cumprimento do calendário regular de leilões.

Por meio de nota, a entidade informou que a periodicidade dos leilões traz previsibilidade para que a indústria possa planejar seus investimentos, fator chave para que o Brasil garanta sua atratividade no cenário mundial. É essencial a inserção da indústria nacional nos investimentos de petróleo e gás, como forma de também gerar demanda por energia e produtos derivados do próprio mercado, numa economia circular virtuosa.

De acordo com a Firjan, as rodadas desta sexta-feira marcaram também o primeiro leilão para exploração do pré-sal brasileiro depois do fim da cláusula de obrigação do operador único na Lei da Partilha. Acrescentou que o fim do operador único evita que a rede de fornecedores trabalhe com apenas um único cliente, reduzindo a vulnerabilidade econômica do país e, por isso, vital para a retomada do crescimento da indústria.

Na nota, a Firjan esclarece que a identificação das demandas de bens e serviços, necessárias para o desenvolvimento dessas áreas estratégicas, é fundamental para que as empresas do encadeamento produtivo possam produzir nos patamares desejáveis, com escala necessária para a indústria do petróleo e gás alcançar maior produtividade.

O Rio de Janeiro será o principal favorecido com o desenvolvimento das áreas arrematadas durante o leilão, já que mais da metade destas áreas fazem fronteira com o estado, concluiu a nota.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212