Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Assessores de campanha de Trump são indiciados por conspiração - Jornal Brasil em Folhas
Assessores de campanha de Trump são indiciados por conspiração


O ex-chefe de campanha de Donald Trump e outros dois assessores foram indiciados por conspiração contra os Estados Unidos no âmbito das investigações sobre a interferência da Rússia na corrida presidencial de 2016, que o presidente voltou a negar.

O advogado Paul Manafort e seu sócio, Rick Gates, foram indiciados por 12 acusações não relacionadas diretamente com atividades do comitê eleitoral de Trump, mas com delitos cometidos enquanto Manafort dirigia a campanha presidencial.

Em uma audiência judicial, os dois apresentaram documentos em que declararam sua inocência, mas foram colocados em prisão domiciliar. Para isso, Manafort teve que pagar uma fiança de 10 milhões de dólares e Gates de cinco milhões.

Pouco após a decisão da prisão domiciliar, o advogado de Manafort, Kevin Downing, disse que o indiciamento do influente lobista era ridículo.

Em paralelo, George Papadopoulos, assessor de política externa da campanha de Trump, admitiu ter mantido reuniões com funcionários russos que ofereciam informações sujas sobre a candidata democrata Hillary Clinton, e se declarou culpado de ter mentido a respeito aos agentes do FBI.

Esta acusação contra Papadopoulos é a mais forte evidência do possível conluio entre a campanha e a Rússia para favorecer a eleição de Trump.

Estas são as primeiras acusações formais apresentadas pelo procurador especial Robert Mueller, que investiga as relações entre o comitê eleitoral de Trump e a Rússia para influenciar a eleição do ano passado.

- Lavagem de milhões de dólares -

O caso se concentra nas movimentações financeiras de Manafort e Gates durante a última década, incluindo o período da campanha eleitoral, quando atuaram como agentes não registrados da Ucrânia nos Estados Unidos, segundo o documento de 31 páginas assinado por Mueller.

Para esconder (...) dezenas de milhões de dólares de pagamentos recebidos da Ucrânia, Manafort e Gates lavaram dinheiro mediante um enorme número de corporações americanas e estrangeiras, associações e contas bancárias.

Por isso, Manafort foi indiciado por falso testemunho sobre seu papel como agente estrangeiro e por não apresentar as devidas declarações sobre contas bancárias no exterior e registros financeiros.

Manafort foi nomeado chefe de campanha de Trump em junho de 2016, mas acabou sendo afastado do cargo em agosto quando foram reveladas suas ligações com a Ucrânia.

Manafort e Gates canalizaram milhões de dólares para contas abertas por eles mesmos, ou por seus cúmplices em Chipre, São Vicente e Granadinas e Seychelles, segundo Mueller.

De acordo com o documento judicial, essa atividade ocorreu entre 2008 e 2017 e se manteve quando Manafort chefiava a campanha de Trump.

Segundo o procurador especial, ambos, juntamente com outros, conspiraram consciente e intencionalmente para lesar os Estados Unidos.

Desta forma, Mueller deixou aberta a porta a mais indiciamentos relacionados ao caso.

Manafort havia se apresentado voluntariamente pela manhã no escritório do FBI em Washington.

- Casa Branca marca distância -

No entanto, o próprio Trump e a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, tentaram desconsiderar nesta segunda a gravidade dos explosivos indiciamentos.

No Twitter, Trump assinalou que as acusações contra o seu ex-chefe de campanha se referiam a coisas que ocorreram há anos e insistiu que não há CONLUIO com a Rússia.

Huckabee Sander, por sua vez, disse que as acusações contra Manafort não têm nada a ver com o presidente, e não têm nada a ver com sua campanha nem com atividades de campanha.

Papadopoulos, disse a porta-voz, era apenas um voluntário que chegou a participar de um comitê de Segurança que se reuniu somente uma vez.

No entanto, as evidências indicam que Papadopoulos tentou colocar em contato dirigentes de alto escalão da campanha de Trump - incluindo Manafort - com cidadãos russos que afirmavam ter informações comprometedoras sobre Hillary.

Huckabee Sanders assegurou que o presidente não tem intenções nem planos de questionar o trabalho do procurador especial Mueller, mas insistiu que as investigações também deveriam se concentrar no comitê de campanha de Hillary.

O escândalo real de conluio tem tudo a ver com a campanha de Clinton, declarou em referência a versões sobre pagamentos que pessoas próximas à candidata fizeram por informações sujas sobre Trump que teriam sido obtidas na Rússia.

Há claras evidências de que eles conluiaram para disseminar desinformação e sujar o presidente. Dissemos desde o primeiro dia que não há nenhuma evidência de conluio entre Trump e a Rússia, e hoje não há nada que mude isso, assinalou.

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212