Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 O refúgio que salva ursos pardos órfãos ou feridos na Croácia - Jornal Brasil em Folhas
O refúgio que salva ursos pardos órfãos ou feridos na Croácia


Os ursos pardos da Croácia que ficaram órfãos ou foram abandonados ou maltratados e não são capazes de sobreviver na natureza encontram um lar em Kuterevo, no único refúgio do país para estes animais.

A Croácia conta com cerca de mil ursos pardos, segundo dados oficiais. Embora a espécie esteja protegida, as autoridades permitem a caça de uma centena de exemplares por ano, deixando vários filhotes órfãos.

Pensando especialmente neles, Ivan Crnkovic-Pavenka, de 71 anos, criou em 2002 esse centro, único no país, em Kuterevo, sua localidade natal, a 180 km de Zagreb.

Quando um humano resgata filhotes, estes se tornam inaptos para a vida selvagem, explica Crnkovic-Pavenka. E uma vez que acaba o período de carinhos com estes animais [...], quando começam a morder e arranhar, é preciso matá-los.

Nosso objetivo é prover um refúgio aos filhotes que perderam suas mães, foram abandonados ou não podem se desenvolver sozinhos em estado selvagem devido a qualquer outra razão, explica Crnkovic-Pavenka.

Atualmente, há nove ursos que escaparam deste destino graças ao seu refúgio.

Lá, os filhotes vivem ao ar livre em um espaço de 2,5 hectares rodeados de cercas eletrificadas, onde se tenta reproduzir as condições de vida selvagem.

Desde 2002, o local abrigou 15 exemplares. Alguns deles foram liberados quando se considerou que estava capacitados para voltar à vida selvagem.

Um deles foi Luka Gora, uma fêmea que costumava subir em uma árvore todas as noites para chorar. Outra fêmea foi levada por um urso selvagem que entrou no refúgio atraído por seu cheiro.

Entre os atuais residentes se encontra Mlada Gora, de seis anos, que foi encontrada quando tinha cinco meses procurando comida perto de uma estrada, depois de caçadores matarem sua mãe.

A decana do refúgio é também o menor exemplar, devido às negligências que sofreu em um zoológico da costa Adriática que fechou em 2015, onde ficava presa em uma jaula minúscula de concreto.

O refúgio de Kuterevo se mantém graças a doações e à ajuda de 300 voluntários. A cada ano, atrai cerca de 20.000 visitantes, e o urso pardo se tornou o símbolo da localidade.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212