Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Médica brasileira assume diretoria da Organização Mundial da Saúde em Genebra - Jornal Brasil em Folhas
Médica brasileira assume diretoria da Organização Mundial da Saúde em Genebra


A médica brasileira Mariângela Simão tomou posse nesta quarta-feira (1º), em Genebra (Suíça), como a primeira diretora-geral-assistente para Medicamentos, Vacinas e Produtos Farmacêuticos da Organização Mundial da Saúde (OMS). Ela chega à OMS após vários anos de experiência no Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), em Genebra, e no Ministério da Saúde do Brasil. A informação é da ONU News.

A nova diretora afirma que o acesso universal à saúde criado pelo Brasil e outras nações serve como inspiração para novas políticas de acesso a medicamentos contra doenças. Segundo ela, a OMS, aprendeu várias lições positivas com os programas de acesso a tratamento antirretrovirais contra HIV/Aids.

Para Mariângela Simão, que tem 30 anos de experiência na área de saúde e políticas públicas, o sucesso de programas contra o HIV/Aids devem ser uma fonte de inspiração para tornar medicamentos contra outras doenças também acessíveis a quem precisa.

Eu diria que a gente aprendeu muitas lições, como o acesso como direito, uma maior transparência nos preços, em ter ajuda internacional para compra de medicamentos. Apesar de o problema da Aids não ter sido resolvido na sua totalidade, ele está caminhando na direção certa. Isto a gente não vê, por exemplo, com as doenças que a gente chama de crônico-degenerativas. A gente não vê o mesmo acontecendo com medicamentos essenciais, como por exemplo, para pressão alta e para outra grande causa da mortalidade, que são os diferentes tipos de câncer.

Mariângela Simão defende também o aumento de mais medicamentos genéricos no mercado. Segundo ela, a competição é útil. A nova diretora-geral-assistente afirmou que trabalhará de perto com os governos e parceiros dos países de língua portuguesa, especialmente na relação de qualidade dos medicamentos.

Paridade de gênero

A médica brasileira integrará uma equipe de liderança da Organização Mundial da Saúd que tem 60% de mulheres, uma taxa que ultrapassa as metas de paridade de gênero promovidas pela própria organização. Ela elogiou a decisão do diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, de nomear mais mulheres para os postos de liderança, e disse que a medida é justa e acertada.

É um avanço. E o secretário-geral, António Guterres, um companheiro dos países de língua portuguesa, tem colocado isso como uma prioridade para o sistema ONU. Você não pode só pregar a paridade para os outros. Você também tem que aplicar internamente. Porque você tem uma força de trabalho grandemente feminina. Então, nós esperamos fazer a diferença, disse.

A paridade de gêneros para cargos de liderança nas Nações Unidas é uma das prioridades do secretário-geral, António Guterres, anunciada antes mesmo de ele assumir o posto em 1º de janeiro este ano. O plano de Guterres é implementar a paridade em todos os postos-chave até 2021 e expandir a medida para toda a organização até 2028.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212