Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Aedes aegypti transgênico pode reforçar combate à dengue em Aparecida - Jornal Brasil em Folhas
Aedes aegypti transgênico pode reforçar combate à dengue em Aparecida


Aparecida de Goiânia pode ser o primeiro município goiano a realizar testes com o Aedes aegypti transgênico. O objetivo é reforçar o combate às principais doenças transmitidas pelo mosquito comum como dengue, chikungunya, febre amarela e zika. Nesta segunda-feira (22), a secretária municipal de Saúde, Vânia Cristina Rodrigues, esteve em Campinas (SP) para conhecer a Oxitec, empresa britânica e pioneira no Brasil na produção de mosquitos geneticamente modificados.

A secretária foi acompanhada pela diretora e pelo coordenador do departamento de Vigilância em Saúde Ambiental, Fernanda Fagundes e Iron Pereira, vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (SMS). “A nossa intenção é trazer a tecnologia para Aparecida, já que depois dos testes com o mosquito transgênico, a prefeitura de Piracicaba registrou uma diminuição de 96% nos índices de infestação”, contou a secretária Vânia Cristina.

O OX513A, também conhecido como “Aedes aegypti do bem”, são mosquitos machos produzidos em laboratório com dois genes diferentes do vetor original. “Os insetos são liberados no ambiente, e ao cruzarem com as fêmeas, transferem o material genético para sua prole, que morre ainda em estado larval, diminuindo a população do mosquito”, explicou o gerente de negócios da Oxitec, Claudio Fernandes, que apresentou o projeto à equipe da SMS, em São Paulo.

Segundo a Oxitec, em laboratório, ovos dos Aedes aegypti recebem uma microinjeção de DNA com dois genes. Um para produzir uma substância que impede seus descendentes de chegarem à fase adulta na natureza e outro para identificá-los sob uma luz específica, para que pesquisadores possam monitorá-los.

Indagado sobre a eficácia e os riscos do projeto, o gerente de negócios da Oxitec, Claudio Fernandes, garantiu que a população de Aparecida pode ficar tranquila, caso a inovação chegue ao município. “Todos nossos estudos científicos publicados no Brasil e no exterior comprovam a eficácia da tecnologia que é amiga do meio ambiente e não oferece risco de transmissão de doenças, já que o mosquito tem uma descendência inviável. O projeto visa ainda auxiliar o poder público nas estratégias de combate, uma vez que após o controle da população do mosquito silvestre, os governos podem dedicar-se a estudos e ações efetivas”, garantiu o gerente de negócios.

Ainda de acordo com informações da Oxitec, apenas machos são liberados na natureza e não oferecem risco porque se alimentam apenas do néctar de flores. Isso significa que ninguém será picado pelo inseto transgênico. Como os filhotes morrem antes de chegar à fase adulta, também não há risco de uma superpopulação do mosquito modificado.

Nesta terça-feira (23), a secretária Vânia Cristina Rodrigues vai conhecer o local onde os mosquitos do bem são produzidos, em Piracicaba. O objetivo é entender melhor, e de perto, o processo de criação e manejo do Aedes aegypti transgênico. “Essa é mais uma ação que demonstra o comprometimento da atual gestão na luta contra o mosquito Aedes aegypti. Mesmo assim, é preciso a colaboração nessa luta, evitando descartar lixo ou objetivos que possam acumular água parada e virar criadouros do mosquito”, salientou Vânia Cristina.

Aedes aegypti do bem

O mosquito geneticamente modificado foi criado em Oxford, na Inglaterra, pela Oxitec. A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), órgão do Ministério da Ciência e Tecnologia aprovou, no início de 2014, a liberação comercial do mosquito transgênico capaz de controlar a população de Aedes aegypti. A medida está sendo avaliada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), mas já mostrou resultados positivos em Piracicaba (SP), município que iniciou os testes com o mosquito do bem após a aprovação da CTNBio.

Antes da liberação da CTNBio, a Oxitec realizou ainda experimentos em outros dois municípios brasileiros, Juazeiro (BA) e Jacobina (BA), em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e organização Moscamed. Nas duas cidades, houve uma diminuição de mais de 90% nos casos de dengue. A Oxitec garante ainda que os resultados positivos independem dos efeitos sazonais do clima.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212