Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Economia é prioridade dos zimbabuanos após queda de Mugabe - Jornal Brasil em Folhas
Economia é prioridade dos zimbabuanos após queda de Mugabe


Aos 76 anos, Chareka Mutungwazi acaba de passar outra noite em frente à agência bancária, na expectativa de poder sacar seu dinheiro. Como muitos zimbabuanos, ele apenas sobrevive, em um país arruinado pelas políticas econômicas erráticas do ex-presidente Robert Mugabe.

Tinha que dormir na fila para ter certeza de que ia conseguir sacar meu dinheiro, explica o aposentado, que espera o banco abrir em uma rua de Harare.

Depois de 55 anos de trabalho, é como voltar à labuta de novo, lamenta.

Em seu banco, a falta de liquidez obriga a limitar o saque de dinheiro a um máximo de 20 dólares. Em outra agência perto dali, o máximo é de 10 dólares.

Charles Mutimhairi, de 35 anos, dono de uma papelaria em Harare, espera pacientemente na fila, enquanto comenta a queda Mugabe, que nesta terça-feira foi derrubado pelo Exército, após 37 anos no poder.

A chegada de seu sucessor, Emmerson Mnangagwa, que tomará posse na sexta-feira, suscita esperanças, reconhece Mutimhairi, apesar de alertar que precisamos de mudanças de verdade, e isso quer dizer criar um entorno estável para atrair novos investimentos, dinheiro e criar empregos.

A crise financeira é apenas um dos problemas da economia do Zimbábue, com crescimento fraco, inflação elevada e desemprego em massa.

Na quarta-feira (22), em seu primeiro discurso desde a nomeação, Mnangagwa prometeu resolver esses problemas.

Queremos o crescimento da nossa economia, queremos empregos, disse, sem dar mais detalhes.

Durante anos, o Zimbábue foi um modelo de sucesso na África, chegando a ser apelidado de o celeiro de trigo do continente. Entretanto, a tarefa pela frente é imensa.

Quando chegou ao poder, em 1980, Mugabe iniciou um sistema de educação e saúde, administrou os interesses da minoria branca e estabilizou o país.

Em 2000, porém, instigou os veteranos da guerra de independência a atacarem os agricultores brancos, e mais de 4 mil fugiram do país em meio à violência.

A consequência foi a derrocada do setor agrícola, que acabou arrasando toda a economia.

- Vagabundos -

O regime recorreu, então, à impressão de dinheiro para financiar seus gastos, provocando uma hiperinflação vertiginosa.

Em 2009, teve de renunciar à moeda local e adotar o dólar e o rand sul-africano. No fim de 2016, criou uma nova divisa, para tentar frear a fuga de dólares para o exterior, mas não foi muito bem-sucedido.

Mugabe nos transformou em vagabundos, opina a deputada de oposição James Maridadi.

A economia vai-se recuperar, graças ao camarada Mnangagwa, espera Berry Makiyi, de 35 anos, um engenheiro elétrico favorável ao novo presidente, a quem aconselha que se ocupe primeiramente da crise financeira.

Também teria que tentar ter uma melhor política de investimentos e ser mais flexível com as leis de indigenização, completou.

Leis que passaram a ser chamadas de indigenização foram aprovadas em 2007 para obrigar empresas estrangeiras no país a ceder a maioria de suas ações a investidores locais. Apesar de não serem totalmente aplicadas, elas tiveram o efeito de afugentar investidores estrangeiros.

Emmerson Mnangagwa, de 75 anos, que foi ministro de Mugabe, é considerado em nível internacional como mais favorável às reformas econômicas, segundo a consultoria BMI Research.

Há motivos para ser otimista sobre a volta dos investidores internacionais ao Zimbábue nos próximos dois anos, indica a consultoria.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212