Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 EUA abrem investigações sobre ataque hacker ao Uber - Jornal Brasil em Folhas
EUA abrem investigações sobre ataque hacker ao Uber


A Uber começou a ser investigada, nesta quarta-feira (22), após a empresa admitir que hackers roubaram os dados de 57 milhões de usuários do serviço em todo o mundo no final de 2016, inclusive de 600 mil motoristas.

Os procuradores dos estados de Nova York, Eric Schneiderman, e Connecticut, George Jepsen, abriram investigações.

Na terça-feira, a empresa revelou que foi hackeada em outubro de 2016 e que manteve o ataque em segredo durante mais de um ano.

Os nomes dos usuários, assim como seus e-mails e números de telefone foram roubados, informou o diretor-executivo do Uber, Dara Khosrowshasi, em um comunicado.

Baseado em uma investigação externa, o diretor-geral do Uber afirmou que a informação sobre os trajetos realizados, os números de cartões de crédito e contas bancárias, os números de seguridade social e datas de nascimento dos usuários não foram roubados.

O escritório de Schneiderman não forneceu detalhes sobre o objetivo preciso da investigação, mas o Uber havia alcançado em janeiro de 2016 um acordo com o procurador sobre a proteção dos dados de seus clientes.

A investigação é a segunda após uma primeira iniciada em 2014 sobre outro ataque cibernético. Na ocasião, Uber pagou uma multa de 20.000 dólares por não ter revelado imediatamente o caso às autoridades.

De acordo com fonte próximas ao caso, o Uber teria pago 100.000 dólares aos hackers para que destruíssem as informações, sem divulgar aos usuários ou aos motoristas, cujos dados estavam em risco.

Ao decidir não revelar este ataque cibernético maciço, tentar atenuar as consequências pagando aos criminosos para destruir os dados, Uber brincou com as informações pessoais de seus usuários e condutores, afirmou Cari Campen Laufenberg, advogada da Keller Rohrback, empresa especializada em queixas coletivas contra ataques rackers.

Além disso, escondeu durante mais de um ano, privando as vítimas de um tempo precioso para tomar medidas a fim de atenuar (as consequências do) roubo de seus dados privados, acusou.

A revelação do novo ataque é mais um golpe à reputação da empresa, que tenta deixar para trás as acusações de falhas na verificação de antecedentes criminais de seus motoristas e de abusos sexuais dentro da companhia.

Khosrowshahi assumiu a direção da empresa no fim de agosto, substituindo o fundador Travis Kalanick, expulso por investidores que queriam restaurar a imagem do grupo.

 

Últimas Notícias

Chega a 73 o número de mortos em explosão no México; feridos somam 74
Forte terremoto de magnitude 6,7 atinge o Chile
Mais de 150 imigrantes se afogam no Mar Mediterrâneo
Brasil e Europa vão ser interligados por novo cabo submarino
Acordo para mudar nome da Macedônia gera protestos em Atenas
Ghosn está disposto a aceitar qualquer condição para obter fiança
Bombeiros buscam pessoa desaparecida depois de tromba dágua no Rio
Mega-Sena acumula de novo e pode pagar R$ 38 milhões na quarta-feira

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212