Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Papa é contra eutanásia mas não aprova prolongamento desumano da vida - Jornal Brasil em Folhas
Papa é contra eutanásia mas não aprova prolongamento desumano da vida


A eutanásia é sempre ruim, mas é perfeitamente lícito para um paciente decidir abandonar cuidados terapêuticos que prolongam a vida de uma forma pouco humana, reiterou nesta quinta-feira o Papa Francisco.

Em uma carta à Associação Médica Mundial (AMM, por sua sigla em inglês), reunida sobre este tema em um encontro europeu na Cidade do Vaticano, o papa julgou positivos os avanços na medicina permitindo prolongar a vida e eliminar muitas doenças.

Mas ressaltou um porém: apelo a uma maior sabedoria, em razão da tentação de insistir em tratamentos que têm efeitos poderosos sobre o corpo, mas que às vezes não servem ao bem-estar integral da pessoa.

Para o papa argentino, que ecoou uma declaração da Igreja sobre a eutanásia que remonta a 1980, é moralmente legal desistir ou parar os cuidados terapêuticos quando seu uso não atende aos padrões éticos e humanísticos. Isso é o que chamamos de a justa proporção no uso de medicamentos.

Essa decisão reconhece os limites da nossa mortalidade e a ideia de que a oposição à morte é fútil. Ela também coloca em primeiro plano o acompanhamento aos doentes terminais, refletido na abordagem médica de cuidados paliativos e na solidariedade da família, ressaltou o papa.

É claro que o fato de não adotar ou interromper medidas desproporcionais significa evitar tratamento médico exagerado, eticamente é completamente diferente da eutanásia, que é sempre ruim, disse Francisco.

O papa aproveitou a oportunidade para destacar a crescente desigualdade no acesso a onerosos cuidados médicos avançados, que diz respeito a segmentos da população cada vez mais limitados e privilegiados.

A mensagem foi lida para uma centena de especialistas médicos de trinta países, reunidos até sexta-feira em uma sala de reuniões.

Em suas diretrizes, a Associação Médica Mundial considera a eutanásia médica (praticada por um médico) e o suicídio assistido (praticado por um paciente) como antiético, uma escolha moral próxima da Igreja.

No entanto, duas associações médicas nacionais - as da Holanda e do Canadá - desejam, em particular, retirar essa menção.

 

Últimas Notícias

Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio
Governo libera 100% de capital estrangeiro nas aéreas nacionais
BNDES fecha o ano com desembolsos de R$ 71 bilhões

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212