Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Produtor cultural diz que ruas devem ser espaço democrático e de manifestações - Jornal Brasil em Folhas
Produtor cultural diz que ruas devem ser espaço democrático e de manifestações


O dançarino de balé popular do Recife, Roger de Renor, é o entrevistado do programa Conversa com Rosean Kennedy que vai ao ar na próxima segunda-feira (27), às 21h30, na TV Brasil. Ele tem importante trajetória na cena cultural brasileira e várias décadas dedicadas às artes.

O pernambucano já trabalhou em gravadora, foi dançarino do balé popular do Recife e teve seu nome imortalizado na música Macô, de Chico Science. Roger também foi dono do bar Soparia, onde se encontravam grandes nomes do movimento manguebeat, como Chico Science & Nação Zumbi, Mundo Livre S/A e Mestre Ambrósio. O movimento tornou-se referência na descentralização da produção cultural do país.

Idealizador do programa Som na Rural, Roger transforma um modelo Ford antigo em veículo sonoro itinerante, para levar música de todas as vertentes ao público nas ruas. O programa, que já teve temporadas na TV Brasil, está em nova fase. “A gente tá preparando uma nova temporada pra continuar essa ponte e essa missão da TV pública: mostrar a diversidade da música do Brasil. Acho que a maior vontade do brasileiro é se descobrir como país, como identidade dentro das suas diferenças”.

Roger é um defensor da ocupação dos espaços públicos e acredita que as ruas devem ser um espaço comum, democrático, local de encontros e e também um ambiente para as manifestações artísticas. Ele comenta a insegurança que existe em relação ao espaço urbano. “As ruas são seguras, a gente observa isso. A gente faz parte desse movimento, que mostra isso para as pessoas na prática. As ruas são inseguras quando estão desertas. Se a gente está nas ruas, a gente é a nossa segurança. Não é a polícia que vai fazer a segurança, são as pessoas sendo a maioria nas ruas”.

O produtor cultural também faz duras críticas ao se referir aos espaços “artificiais” como sinônimos de segurança. “Às vezes, o sistema quer mostrar que o barato é o shopping center porque é seguro. Então, a gente ouve absurdos... edifícios que vendem apartamentos que tem playground, churrasqueira, academia e tem passagem exclusiva para o shopping. Então, o Som na Rural trabalha isso. Outros lugares também trabalham, independentemente de ser um carro ou não, trabalham movimentos que chamam as pessoas para fazer uso dos lugares”.

Roger defende ainda que a cidade seja um local para encontros e trocas entre grupos sociais. Um espaço de convívio e compartilhamento artístico. “As pessoas querem os espaços públicos para as suas manifestações culturais, com todas as influências, todas as suas invenções e reinvenções. E isso é muito bonito”.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212