Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Acordo permitirá continuidade dos trabalhos de identificação de ossadas de Perus - Jornal Brasil em Folhas
Acordo permitirá continuidade dos trabalhos de identificação de ossadas de Perus


Um acordo assinado nesta segunda-feira (27) permitirá a continuidade das atividades de identificação das ossadas de presos políticos que foram encontradas há quase 30 anos em valas clandestinas no Cemitério de Perus, na zona norte da capital paulista. O acordo atende a uma ação civil pública do Ministério Público Federal, que pedia que o Poder Público concluísse os trabalhos de identificação das ossadas. Uma audiência de conciliação realizada em outubro na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), em São Paulo, já tinha definido a continuidade dos trabalhos, que foram oficializados hoje, em cerimônia realizada no mesmo local.

Segundo o TRF3, o acordo determina que o custo de R$ 600 mil para a manutenção e funcionamento do Centro de Antropologia e Arqueologia Forense (CAAF) no próximo ano seja dividido em partes iguais entre os ministérios dos Direitos Humanos e da Educação e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O CAAF é o órgão da universidade que executa o projeto de identificação das ossadas por meio de um acordo de cooperação técnica firmado com a União e a prefeitura de São Paulo.

Os técnicos que participam do trabalho analisam mais de mil ossadas encontradas no Cemitério Dom Bosco, em Perus, em 1990. Acredita-se que parte desse material é de desaparecidos políticos durante a ditadura militar.

Pelo acordo, ficou também definido que, em junho do próximo ano, a União e a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) vão analisar o cumprimento do cronograma e definir os custos do trabalho para 2019, ano em que se espera a conclusão das atividades.

Vala clandestina

A vala clandestina de Perus foi aberta em setembro de 1990 durante a gestão de Luiza Erundina na prefeitura de São Paulo. No local, foram encontradas 1.049 ossadas sem identificação de vítimas de esquadrões da morte, indigentes e presos políticos.

À época, a prefeitura determinou a apuração dos fatos e fez um convênio com a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) para a identificação das ossadas. Os trabalhos na Unicamp conseguiram identificar apenas 12 pessoas. O trabalho foi interrompido e, em 2002, as ossadas foram levadas para o Cemitério do Araçá, na capital paulista, sob responsabilidade da Universidade de São Paulo (USP).

Em 2014, uma parceria da Secretaria Especial de Direitos Humanos (hoje Ministério dos Direitos Humanos), da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania e da Unifesp permitiu a retomada do trabalho de identificação dos restos mortais resgatados da vala clandestina do Cemitério de Perus.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212