Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MP pede prisão por fraude e homicídio de militares goianos flagrados por câmera - Jornal Brasil em Folhas
MP pede prisão por fraude e homicídio de militares goianos flagrados por câmera


O Ministério Público de Goiás (MP-GO) pediu a prisão temporária, por 30 dias, de dois policiais militares do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) acusados de homicídio e tentativa de fraude processual, após operação realizada na cidade de Senador Canedo, região metropolitana de Goiânia, que resultou da morte de duas pessoas. O pedido de prisão foi protocolado nesta quarta-feira (29), segundo a assessoria de imprensa do órgão.

No último sábado (25), os agentes dispararam seguidas vezes contra um veículo que teria sido roubado. O possível assaltante e o dono, Tiago Messias Ribeiro, que conduzia o automóvel, morreram. A esposa de Tiago disse à imprensa local que ele foi feito refém em casa, após um homem entrar na residência do casal para roubar o carro. Ela detalhou que ligou para a polícia logo após a saída deles, comunicando o sequestro.

Imagens de câmeras de segurança divulgadas ao longo da semana mostram detalhes da operação: os policiais desceram da viatura atirando contra o veículo, pelo lado do motorista. Depois, retiraram um homem e colocaram no porta-malas de uma das viaturas. Um dos PMs voltou ao veículo alvejado e, desde seu interior, atirou contra o vidro dianteiro. Para o Ministério Público, a iniciativa demonstra tentativa de adulterar a cena do crime e forjar troca de tiros.

O pedido de prisão abrange os policiais que teriam disparado os tiros que atingiram as vítimas. Em relação aos demais PMs que participaram da ação, o MP pediu o afastamento de todas as funções da corporação. Após a operação, os envolvidos foram afastados das atividades de rua e transferidos para serviços administrativos. O grupo de trabalho formado pelo MP para acompanhar o caso também apura o motivo pelo qual a prisão em flagrante dos policiais não foi feita.

Além do Ministério Público, que ingressou com o pedido de prisão em vara criminal da Justiça Comum, as ações estão sendo investigadas pela Polícia Civil e pela Polícia Militar. A PM requereu à Justiça Militar, na terça-feira (28), a decretação da prisão preventiva dos quatro integrantes do GPT. Em entrevista coletiva nesta quarta-feira, o coordenador do Grupo de Controle Externo da Atividade Policial do MP, Leandro Murata, informou que os pedidos vão tramitar em paralelo, cada um na instância judicial cabível.

Murata acrescentou que o MP-GO acompanha todos os casos de mortes decorrentes de intervenção policial. A partir de recomendação do órgão, a Secretaria de Segurança Pública definiu, por meio da Portaria 1.208, publicada em outubro, que o MP deve ser comunicado em 24 horas de toda ocorrência de morte decorrente de oposição à intervenção policial – os chamados autos de resistência – estando o agente de serviço ou não.

 

Últimas Notícias

Temer sanciona MP 846 e o Brasil tem as apostas esportivas legalizadas
Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus
Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212