Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 UE e Londres estão perto de acordo financeiro para Brexit criticado no Reino Unido - Jornal Brasil em Folhas
UE e Londres estão perto de acordo financeiro para Brexit criticado no Reino Unido


A notícia de que Londres aceitou pagar até 55 bilhões de euros para sair da União Europeia (UE) foi recebida com moderada satisfação em Bruxelas, mas irritou aliados e críticos do governo britânico.

Se, há alguns meses, o ministro das Relações Exteriores Boris Johnson - principal rosto da campanha a favor do Brexit - ironizava a UE a respeito do valor a ser pago, agora o governo britânico aceitou pagar a quantia a título de compromissos orçamentários já assumidos, ou pensões dos funcionários europeus, entre outras faturas.

Este valor está muito próximo das aspirações de Bruxelas, declarou o comissário europeu da Agricultura, o irlandês Phil Hogan, abrindo caminho para as negociações.

Na terça-feira, o jornal Daily Telegraph revelou os valores - entre 45 bilhões e 55 bilhões de euros - e o acordo.

O veículo citou duas fontes, segundo as quais o acordo foi alcançado na semana passada em Bruxelas, mas o montante final dependerá de como as partes calcularem a cifra, com base em uma metodologia comum.

Os críticos do governo e da saída da UE aproveitaram o recuo do governo da primeira-ministra Theresa May para recordar as promessas feitas antes do referendo de 26 de junho de 2016.

É um símbolo enorme da impossibilidade de materializar o Brexit nos termos como foi vendido para o povo britânico, disse o deputado trabalhista Chuka Umunna à rádio BBC.

A primeira-ministra está em viagem pelo Oriente Médio e não participou da audiência semanal no Parlamento, mas a secretária do Tesouro, Liz Truss, chamou esses valores de especulações.

- Caminho para segunda fase -

Nigel Farage, que era líder do partido antieuropeu Ukip durante a campanha do referendo, atacou Theresa May e o governo.

Que se aprove uma quantia desta magnitude em troca de nada mais do que a promessa de um acordo comercial decente é se vender total e completamente, escreveu Farage no Daily.

À margem das críticas domésticas, o acordo financeiro nivelaria decisivamente a reunião de cúpula de dezembro da UE, na qual líderes do bloco devem dar sinal verde para a segunda fase das negociações - a que se refere às futuras relações comerciais entre ambos os sócios -, como insiste Londres.

Esta é a visão dos investidores, que levaram a libra esterlina a registrar o maior nível em comparação ao dólar em dois meses.

O principal negociador europeu, Michel Barnier, limitou-se a descrever os valores como rumores na imprensa.

Há um assunto, no qual devemos continuar trabalhando, independentemente dos rumores na imprensa, e é o dos compromissos financeiros, desconversou Barnier.

Não vamos pagar entre 27 (países) o que foi decidido entre 28, é simples. Assim, queremos liquidar as faturas, completou.

O ministro britânico dos Transportes, Chris Grayling, defensor do Brexit, disse que o Reino Unido não quer sair da maneira errada da UE e relativizou os valores: De qualquer maneira, estamos pagando a cada ano 10 bilhões de libras anuais líquidas à UE.

- Irlanda do Norte e expatriados -

Ainda faltam, no entanto, acordos em duas áreas delicadas de discussão, consideradas essenciais pela UE: os direitos dos expatriados após o Brexit e o futuro da fronteira irlandesa, a única terrestre entre o Reino Unido - concretamente com sua província da Irlanda do Norte - e a UE (com a Irlanda).

O acordo sobre o dinheiro já foi, garantiu uma fonte da negociação ao Telegraph.

Na questão dos expatriados, um dos pontos de polêmica é saber se os 3,2 milhões de europeus que moram na Grã-Bretanha terão direito de apelação no Tribunal Europeu de Justiça, ou se estarão sujeitos apenas à jurisdição britânica, como Londres deseja.

Agora, falta apenas o assunto do tribunal e da Irlanda do Norte antes do Conselho europeu de dezembro, indicou a fonte.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, tinha oferecido cobrir as contribuições de seu país ao orçamento europeu de 2019 e 2020, o que significaria 20 bilhões de euros.

A cifra foi duplicada em uma reunião ministerial em Londres na semana passada.

Um porta-voz do Departamento britânico encarregado do Brexit se limitou a indicar que conversas intensas prosseguiam nesta semana em Bruxelas.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212