Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Astiz e Acosta condenados à prisão perpétua por crimes na ditadura argentina - Jornal Brasil em Folhas
Astiz e Acosta condenados à prisão perpétua por crimes na ditadura argentina


A Justiça argentina condenou nesta quarta-feira (29) dois ex-pilotos militares por participar dos voos da morte, um dos métodos de desaparecimento forçado durante a última ditadura (1976-1983).

Mario Daniel Arrú e Alejandro Domingo DAgostino foram condenado à prisão perpétua por participar dos voos nos quais opositores eram lançados vivos no mar ou nas águas do Rio da Prata de aviões militares, uma forma de fazê-los desaparecer sem deixar vestígios.

O ex-piloto militar argentino-holandês Julio Poch, também acusado no caso, foi absolvido, assim como Ricardo Ormello.

Poch foi extraditado da Espanha em 6 de maio de 2010.

Ao depor em 2013, Poch negou sua participação nos voos e disse nunca ter estado na Escola de Mecânica da Armada (ESMA), o mais emblemático centro de extermínio do regime, nem ter integrado um grupo de trabalho de repressão ilegal na ditadura.

Eu não participei da luta contra a subversão e eu não tive nada que ver com os voos da morte e não confessei porque não tenho nada a confessar, disse aos juízes o ex-aviador, que foi piloto na Transavia, filial da Air France da KLM.

Poch se reformou como capitão-de-fragata em fevereiro de 1981, após o que radicou-se na Holanda com mulher e três filhos.

É a primeira vez que a Justiça emite uma sentença pelos voos da morte na Argentina, que já julgou e condenou vários agentes da ditadura por diversos crimes, como homicídios, tormentos e roubos de bebês.

Entre as vítimas dos voos da morte estão as freiras francesas Alice Domon e Léonie Duquet, sequestradas e assassinadas juntamente com fundadoras do organismo humanitário Mães da Praça de Maio, em dezembro de 1977.

Os restos mortais de Duquet e três mães da Praça de Maio foram encontrados pouco após seu sequestro em uma praia da costa atlântica argentina e enterrados sem nome em um cemitério próximo. Em 2005, foram exumados e identificados pela Equipe Argentina de Antropologia Forense. Domon continua desaparecida.

As sentenças sobre os voos da morte ocorreram no âmbito de um processo com 54 denunciados que investigou 789 atos, o maior desde 2003 e o terceiro julgamento por violações dos direitos humanos cometidos na ESMA.

Trinta mil pessoas desapareceram durante a ditadura, segundo organismos humanitários.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212