Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 População muçulmana vai crescer na Europa até 2050 - Jornal Brasil em Folhas
População muçulmana vai crescer na Europa até 2050


Os muçulmanos poderão representar entre 7,4% e 14% da população europeia em 2050, frente a 4,9% em 2016, mesmo que não haja imigração, segundo um estudo do Centro de Pesquisa Pew que será publicado nesta quinta-feira (30).

O instituto independente americano, famoso por suas pesquisas sobre demografia religiosa, estabeleceu suas previsões em um perímetro que inclui os 28 países da União Europeia (incluindo o Reino Unido), assim como Noruega e Suíça.

O centro de pesquisa, que calcula que 53% dos migrantes que chegaram à Europa entre 2010 e 2016 eram muçulmanos, realizou seu estudo a partir de três cenários de imigração.

O primeiro (imigração zero), que supõe o fim imediato e permanente da imigração nos países afetados, antecipa que a população muçulmana passará de 4,9% em meados de 2016 para 7,4% dos habitantes desses países em 2050. Pew explica esse crescimento pelo fato de que os muçulmanos são mais jovens (em média 13 anos) e têm maior fecundidade (quase um filho a mais por mulher) que os demais europeus.

O segundo cenário (imigração média) se baseia na continuidade da imigração legal registrada na Europa nos últimos anos e no final da chegada de migrantes que buscam refúgio na Europa. Segundo essa hipótese, a minoria muçulmana chegaria a 11,2% da população europeia em 2050.

Por último, o terceiro cenário (imigração forte) prevê que a chegada expressiva de migrantes registrada entre 2014 e 2016 siga o mesmo ritmo até 2050, levando a porcentagem de cidadãos muçulmanos a 14% da população europeia. Uma proporção quase três vezes superior à atual, mas consideravelmente inferior àquela dos cristãos e às pessoas sem religião juntos, aponta o centro Pew.

Os muçulmanos da França, que segundo o estudo eram 5,7 milhões em 2016 (8,8% da população), continuarão formando a primeira comunidade muçulmana da Europa no caso de uma imigração zero (8,6 milhões, 12,7%). Seriam 12,6 milhões (17,4%) com uma imigração média, e 13,2 milhões (18%) em caso de imigração forte.

Esta última possibilidade é a única que permitiría evitar uma redução da população dos 30 países estudados (520,8 milhões de habitantes em 2016). Em caso de imigração forte, a população chegaria a 538,6 milhões de habitantes, frente aos 516,9 milhões estimados com uma imigração média e os 481,7 milhões antecipados com uma imigração zero.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212