Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Reino Unido aturdido com mensagem de Trump a May - Jornal Brasil em Folhas
Reino Unido aturdido com mensagem de Trump a May


O Reino Unido tentava digerir nesta quinta-feira a resposta destemperada do presidente americano, Donald Trump, à primeira-ministra britânica, Theresa May, depois que ele compartilhou vídeos antimuçulmanos, mas o governo tenta não prosseguir com o caso.

Downing Street chamou de erro a atitude de Trump, que divulgou nas redes sociais alguns vídeos da organização britânica de extrema direita Britain First que atribuem atitudes violentas aos muçulmanos.

Trump não gostou da repreensão e afirmou que May deve se concentrar nos assuntos de seu país: Theresa @theresamay, não foque em mim, foque no destrutivo terrorismo islâmico radical no Reino Unido. Nós vamos bem, escreveu no Twitter.

A crise acontece no momento em que Londres precisa de grandes aliados alternativos à União Europeia (UE), com destaque para os Estados Unidos, país com o qual presume manter uma histórica relação especial, a expressão utilizada para o relacionamento bilateral.

Este, no entanto, não foi o primeiro ataque de Trump ao Reino Unido. O presidente já discutiu diversas vezes com o prefeito da capital britânica, o muçulmano Sadiq Khan.

A ministra da Educação britânica, Justine Greening, primeira pessoa do governo a comentar o assunto, tentou minimizar o incidente.

No fim, nossa relação com os Estados Unidos tem uma longevidade que sobreviverá aos presidentes que vêm e vão, disse Greening à rádio BBC.

Não concordo com o tuíte do presidente Trump, mas também acredito que não deveria nos distrair de nossa agenda doméstica, nem da estreita relação que o Reino Unido teve durante muitos, muitos anos, e que continuará tendo, com os Estados Unidos, completou.

- Trump e desculpas -

A ministra do Interior, Amber Rudd, repetiu que Trump cometeu um erro ao retuitar os vídeos, durante uma sessão parlamentar especial para debater o ocorrido, mas insistiu que a relação bilateral deve ser priorizada.

Posso assegurar à Câmara a importância da relação entre os dois países. O intercâmbio sem paralelo de informação de inteligência e vital, sem dúvida salvou vidas britânicas. Este é o conjunto general e peço às pessoas que não esqueçam, disse Rudd.

May procurou Trump quando o americano assumiu a presidência, com a esperança de concluir algum dia um grande acordo comercial, e o convidou a fazer uma visita de Estado ao Reino Unido, a mais elevada no nível protocolar, durante a qual o visitante se hospeda no Palácio de Buckingham e é objeto de homenagens.

Mas a possibilidade de uma visita, que deveria acontecer em 2018, gera polêmica e não tem uma data definida.

Pelo menos quatro deputados pediram a Rudd o cancelamento definitivo da visita, mas ela descartou a possibilidade: O convite foi apresentado e aceito.

O prefeito de Londres afirmou que está cada vez mais claro que qualquer tipo de visita oficial do presidente Trump ao Reino Unido não seria bem-vinda.

As ações de Trump, disse Khan, são uma traição à relação especial entre nossos dois países.

A primeira-ministra de nosso país deveria usar a influência que ela e seu governo afirmam ter sobre o presidente e sua administração para que apagasse os tuítes e pedisse desculpas aos britânicos, completou o prefeito.

A polêmica jogou o foco sobre o grupo de extrema-direita Britain First. A número dois da organização, Jayda Fransen, publicou os polêmicos videos retuitados por Trump.

O Britain First é legal, mas o governo britânico apertou o cerco às organizações similares desde o assassinato, em junho de 2016, da deputada Jo Cox por um militante de extrema-direita.

Quando o presidente dos Estados Unidos promove a vice-líder de uma organização de extrema-direita facilita que outros sigam o exemplo dela. E até mesmo que vão mais longe, escreveu no jornal The Guardian o viúvo da deputada, Brendan Cox.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212