Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Especialistas defendem prevenção à aids com métodos combinados - Jornal Brasil em Folhas
Especialistas defendem prevenção à aids com métodos combinados


A prevenção à aids inclui uma série de métodos que vão além das camisinhas masculina e feminina. Entre eles, os medicamentos das profilaxias pré-exposição (PrEP) e pós-exposição (PEP), que estão entre os mais eficazes para proteger homens que fazem sexo com homens – parcela da população em que a doença mais avança. O número é maior ainda entre os meninos de 15 anos a 19 anos que são gays ou fazem sexo com homens, conforme dados mais recentes do Ministério da Saúde.

Reunidos em congresso da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia), no Rio de Janeiro, na última semana, especialistas defenderam que campanhas de prevenção desmistifiquem práticas sexuais e tratem de identidades de gênero e sexualidades.
HIV/aids

Especialistas defendem uso de camisinha e outros métodos para prevenção ao vírus HIV Arquivo/Agência Brasil

A pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), Vera Paiva, que participou do evento, lembrou que os jovens, independentemente de religião, iniciam a vida sexual aos 14 anos e precisam de informação antes disso. De 2006 a 2016, a prevalência da infecção aumentou 140%, entre jovens do sexomasculino, com idades entre 18 e 25 anos. No caso das meninas, a prevalência é menor, mas preocupa o crescimento da taxa entre as mais jovens, na faixa de 15 a 19 anos.

Além da camisinha, os especialistas defendem a ampliação da disponibilização da PrEP, que será distribuída pelo governo a grupos específicos a partir da semana que vem.
Apesar de a iniciativa ter sido comemorada, pesquisadores alertaram que a forma de distribuição das pílulas poderá significar uma mudança na política de combate à aids, pois não bastará qualquer pessoa ir ao posto de saúde e solicitar o tratamento pré-exposição.

“Tenho pensado qual a primeira política de HIV e aids no Brasil que não tenha sido universal, nesses anos todos”, questionou o sociólogo Alexandre Grangeiro, que já foi diretor do Programa Nacional de DST/Aids. “Talvez, a PrEP seja a primeira delas”, disse.

Segundo Grangeiro, que atualmente é pesquisador do Departamento de Medicina Preventiva da USP, a maior parte da população brasileira faz “sexo na pele”, ou seja, sem preservativo. “Estamos voltando ao sexo na pele, se é o sexo na pele que a população quer, qualquer método de prevenção existente, que afirme essa possibilidade fazer o sexo na pele, é um método bem-vindo”, defendeu.

A partir da semana que vem, o Ministério da Saúde distribuirá 3,6 milhões de PrEP, durante um ano, de maneira gradativa e gratuita, em serviços de saúde de 22 municípios. As pílulas só serão distribuídas a grupos considerados chaves, como homens que fazem sexo com homens, gays, pessoas trans, profissionais do sexo e casais sorodiscordantes. O uso das pílulas será sob acompanhamento.

Para o advogado da Abia, Oséias Cerqueira, com a escolha de grupos específicos, a distribuição da PrEP poderá deixar de fora outros grupos que também necessitam desse tipo de método preventivo, como jovens negros. O percentual de abandono do tratamento, por exemplo, é maior entre jovens negros (11%) que brancos (8%).

O uso consciente de métodos combinados adequados à maneira como cada um quer desfrutar suas relações é fundamental, reforçou o psicólogo Thiago Pinheiros, também da USP. Para ele, nas campanhas de prevenção, a camisinha é apresentada como “um método asséptico” e nem sempre é funcional. E as campanhas precisam ser mais erotizadas.

Ao divulgar os números da aids na última sexta-feira (1º), Dia Mundial de Luta contra a Aids, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, explicou que PrEP é um medicamento específico, de uso contínuo e diário, que só pode ser tomado após a pessoa ter feito o teste de HIV e com acompanhamento. “Por isso não, em hipótese alguma, podemos esquecer da camisinha”, frisou, em nota divulgada no site da pasta.

Os números de diagnóstico e de tratamento de pessoas vivendo com HIV/aids melhoraram no Brasil, nos últimos anos, embora a doença esteja avançando entre a população mais jovem. Os dados ainda apontam que 830 mil pessoas convivem com o HIV, sendo que 112 mil não sabem que estão infectadas, portanto, sem tratamento.

Racismo

O advogado Oséias Cerqueira, da Abia acrescentou que o contexto da desigualdade no país e a chamada vulnerabilidade estrutural é determinante para maior ou menor exposição ao HIV. “A aids também é uma forma de extermínio da população negra no mundo”, frisou. Além disso, avalia que os tratamentos não são iguais para toda população.

“Estamos vendo que está morrendo no mundo, quem não tem acesso ou não a medicamentos”, criticou, em relação aos negros no Brasil e á África Subsaariana, a região mais atingida pela epidemia, no mundo. Para ele, por ter mais recursos e poder na sociedade, a população branca acaba sendo beneficiada. “A saúde é mercadoria [para quem pode pagar]”.

Representante do Ministério da Saúde, Paula Adamy, reconheceu o racismo estruturante na sociedade, que dificulta o acesso a serviços e nas próprias instituições de saúde. “Sabemos que não é a cor que vulnerabiliza, mas o racismo institucional. Isso cria barreiras de acesso, ponto que precisamos trabalhar, de maneira que não inviabilize o cuidado”, afirmou.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212