Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Fifagate: Ex-chefes do futebol sul-americano sempre queriam mais - Jornal Brasil em Folhas
Fifagate: Ex-chefes do futebol sul-americano sempre queriam mais


Era muito difícil fazer algo sem pagar propina: o testemunho à justiça americana do ex-jornalista da TV Globo José Hawilla, que se transformou em empresário de sucesso, relatou nesta segunda-feira como pagamentos ilegais durante décadas engordaram os bolsos de insaciáveis ex-dirigentes do futebol sul-americano.

José Hawilla, ex-presidente da Traffic, que possuía os direitos de televisão da Copa América e da Copa Libertadores, se declarou culpado em 12 de dezembro de 2014 e colabora desde então com a justiça americana no escândalo de corrupção que assola a Fifa, inclusive gravando escondido conversas com outros acusados.

Hawilla, que depôs nesta segunda-feira na quarta semana do julgamento Fifa carregando um tanque de oxigênio devido aos problemas de saúde, contou como sua empresa, uma das três acusadas (junto à Full Play e à Torneos e Competencias) teria assinado com a Conmebol um contrato pelos direitos das Copas América 2007, 2011 e 2015.

Em troca, pagou propina ao então presidente da Conmebol Nicolás Leoz, outro acusado que luta contra a extradição no Paraguai, e aos ex-chefes do futebol no Brasil e na Argentina, Ricardo Teixeira -acusado nos Estados Unidos mas em liberdade no Brasil- e Julio Grondona -falecido em 2014-.

A Teixeira, Hawilla relatou à corte ter pago por meio de doleiros um milhão de dólares (anuais), logo passou para 1,2 milhão, logo para 1,5 milhão, depois para 2 milhões, depois para 2,5 milhões e depois 3 milhões de dólares.

Pagamentos similares foram realizados a Grondona através da agência de viagem Alhec Tours, afirmou Hawilla. O objetivo era que Argentina e Brasil garantissem que os melhores jogadores estivessem nas competições.

O jurado deverá decidir se três dos 42 acusados que se declaram inocentes -o ex-presidente do futebol brasileiro José Maria Marin, o ex-presidente da Conmebol Juan Angel Napout e o ex-chefe do futebol peruano Manuel Burga- são ou não culpados.

- Golpe de Estado na Conmebol em 2010 -

Hawilla explicou que o contrato de sua empresa com a Conmebol foi encerrado em 2010, durante a Copa do Mundo da África do Sul, quando o Grupo dos Seis da entidade -integrado pelos ex-presidentes das federações de Equador, Colômbia, Peru, Bolívia, Venezuela e Paraguai- liderados por Luis Chiriboga, ex-chefe do futebol equatoriano, deu um golpe de Estado na cúpula integrada por Grondona, Teixeira e Leoz.

Nos bastidores, a Conmebol assinou novo contrato com a Full Play, empresa dos argentinos Hugo e Mariano Jinkis, cedendo os direitos das Copas América de 2015, 2019 e 2023 e da Copa América Centenário de 2016.

Leoz teria dito a Hawilla que se viu obrigado a assinar esse contrato, porque o Grupo dos Seis ameaçava tirá-lo da presidência da Conmebol.

Era um golpe de Estado para tirar esses três (Leoz, Grondona e Teixeira) e assumir o controle, declarou Hawilla, que garante que foi ameaçado por Chiriboga: Agora nós mandamos na Conmebol. A Traffic está fora de todos os eventos, porque vocês sempre acertaram (o pagamento de propina) com os três (Leoz, Teixeira e Grondona) e nós sempre ficamos de fora dos acordos financeiros e das decisões.

O ex-chefe do futebol colombiano Luis Bedoya, testemunha que depôs na semana passada, afirmou que, apesar das tentativas, o G6 nunca teve muito poder.

Após Hawilla processar em final de 2011 a Conmebol e seus integrantes na Flórida por quebra de contrato, as duas partes chegaram a um acordo: a empresa Datisa dividiria igualmente entre Traffic, Full Play e Torneos os direitos da transmissão das Copas América de 2015 a 2023, incluindo a edição Centenário de 2016.

Em troca, já nos últimos minutos de uma reunião em Buenos Aires, a Full Play e a Torneos exigiram 10 milhões de dólares a Hawilla para o pagamento de propina a membros da Conmebol.

Isso aconteceu em 20 de março de 2013, no dia que o argentino Jorge Bergoglio se tornou o novo papa. Os então dirigentes da Conmebol pararam a reunião por duas horas para comemorar o novo pontífice, lembrou Hawilla.

Esse assunto (pagar subornos) estava me revoltando. Não estou me eximindo de culpa. Me arrependo muito disso, deveria ter parado alí... mas deixei para depois, confessou o brasileiro, que também relatou o pagamento de 10 milhões de dólares a Jeffrey Webb, ex-presidente da Concacaf, pelos direitos da Copa Centenário-2016, pagos pela Torneos.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro participa no Chile de Cúpula Presidencial Sul-Americana
Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212