Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Feb de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Estudo aponta que comportamento não é indicativo de dor em bebês estressados - Jornal Brasil em Folhas
Estudo aponta que comportamento não é indicativo de dor em bebês estressados


Redação Central, 30 nov (EFE).- Em recém-nascidos afetados pelo estresse, o comportamento sozinho não é uma forma confiável de avaliar a dor que os bebês sentem, de acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira pelo site Current Biology.

O estudo, financiado pelo Conselho de Pesquisa Médica do Reino Unido, descobriu que bebês hospitalizados, já estressados pelo ambiente em que estão, têm uma maior resposta à dor do que recém-nascidos não afetados pelo estresse. Mas isso não é acompanhado por um aumento equivalente no comportamento da dor.

A equipe da University College de Londres responsável pelo estudo quis estabelecer se, como ocorre com os adultos, os bebês sentem mais dor quando são submetidos ao estresse. A pesquisa é importante porque médicos avaliam o comportamento dos bebês para receitar medicamentos para diminuir a dor.

Foram usados na pesquisa 56 recém-nascidos. O estresse de cada um deles foi medido pelo nível do hormônio cortisol na saliva e pelo padrão de seus batimentos cardíacos. Esses exames eram feitos antes e depois de submetê-los a uma pequena picada no calcanhar que era clinicamente necessária.

Ao mesmo tempo, eles mediram a resposta dos bebês à dor com uma eletroencefalografia e por meio das expressões faciais.

Os dados indicaram que os recém-nascidos com maiores níveis de estresse apresentaram uma reação cerebral maior ao procedimento médico, mas isso não levava a uma mudança de comportamento.

Uma das autoras do estudo, Laura Jones, afirmou em comunicado que os efeitos do estresse na resposta cerebral não foi uma surpresa, mas os pesquisadores não esperavam que o comportamento dos bebês não seguisse a mesma lógica do que ocorre com os adultos.

A especialista disse que os resultados fornecem uma nova razão para tratar e cuidar dos bebês de uma forma que minimize tanto a dor como o estresse. Os recém-nascidos parecem que não respondem à dor, inclusive quando seus cérebros ainda a processam, afirmou.

Os médicos e enfermeiros do neonatal sabem que os bebês prematuros as vezes se desconectam e não respondem quando se sentem oprimidos. Os novos resultados parecem confirmar essas observações clínicas nas crianças recém-nascidas, completa a nota.

A equipe de analistas deve realizar no futuro estudos sobre como outros fatores ambientais e experiências prévias - como a interação entre a criança e a mãe - podem influenciar na forma como os bebês processam e experimentam a dor. EFE

 

Últimas Notícias

Relatora da intervenção no Rio aponta falta de dados no decreto
Quando a coisa fica ruim no Rio, desanda nos outros Estados
Presença do Exército trará algum desconforto, diz porta-voz
Últimos dias de inscrição ao processo seletivo para professor da Rede Itego
Transposição do Capivari garante abastecimento durante a estiagem em Anápolis
Polícia de Inhumas indicia secretário, dois servidores e empresária por fraude em licitação
Lista de devedores contumazes é atualizada pela Sefaz
Lançado o Plano Goiás Seguro para combater o déficit previdenciário

MAIS NOTICIAS

 

Em meio a racionamento, principal reservatório do DF atinge 50% de volume útil
 
 
Temer: governo vai trabalhar para que reduções da gasolina cheguem às bombas
 
 
Moreira pede ao Cade para investigar preços em postos de combustíveis
 
 
Sete escolas de samba abrem desfile hoje em São Paulo
 
 
Identificação e cuidados com a saúde garantem carnaval tranquilo para crianças
 
 
Carnaval no Sambódromo da Marquês de Sapucaí começa hoje no Rio

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212