Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Dez de 2017 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 YouTube elimina mais de 150.000 vídeos de crianças por comentários pedófilos - Jornal Brasil em Folhas
YouTube elimina mais de 150.000 vídeos de crianças por comentários pedófilos


O site americano YouTube eliminou mais de 150.000 vídeos infantis acompanhados por comentários em tom inapropriado, em alguns casos com teor pedófilo, disse nesta quinta-feira (30) a plataforma, que tenta tranquilizar seus anunciantes.

Tudo começou com um artigo publicado na sexta-feira passada no jornal britânico The Times, que afirmava que os anúncios das grandes marcas (Adidas, Amazon e Mars e, particular) apareciam no YouTube junto com vídeos de crianças e adolescentes, na maioria das vezes publicados inocentemente mas que provocaram comentários pedófilos por parte dos usuários.

Segundo outros veículos, vários anunciantes decidiram deixar de anunciar no YouTube por este motivo. A empresa de informática americana HP confirmou à AFP que pediu imediatamente à Google que suspenda qualquer publicidade no YouTube.

Consultado pela AFP, o YouTube disse que eliminou várias centenas de contas e mais de 150.000 vídeos que tinham problemas.

A plataforma propriedade da Google, cuja publicidade digital representa o forte das receitas, também proibiu a publicidade em mais de 2 milhões de vídeos e 50.0000 canais que se identificavam como conteúdo familiar, mas não eram. A empresa bloqueou ainda os comentários em 625.000 vídeos.

Temos políticas claras contra os vídeos e os comentários no YouTube que sexualizam ou exploram as crianças e as aplicamos de maneira drástica cada vez que somos alertados sobre esse conteúdo, disse um porta-voz do YouTube.

YouTube garante ter reforçado recentemente (seu) enfoque sobre os vídeos e os comentários relacionados com crianças que, embora não fossem ilegais, continuam sendo preocupantes.

Diante da pergunta de se a plataforma sofre com o boicote de alguns anunciantes, o porta-voz respondeu que nenhuma publicidade deveria ser difundida sobre este conteúdo.

Estamos trabalhando para remediar esta situação o quanto antes, acrescentou.

Essa é a segunda vez este ano que o YouTube enfrenta este tipo de polêmica. Um artigo publicado no começo do ano no Times afirmava que os anúncios apareciam perto de conteúdos antissemita, incitando o ódio ou fazendo apologia do terrorismo.

A Google se comprometeu a garantir que as publicidades de seus anunciantes não ficassem perto de conteúdos polêmicos.

 

Últimas Notícias

Estádio Olímpico recebe Paradesportivos
Vinil Black Album de Prince reaparece com valores astronômicos
Vaticano lançará portal que reunirá todos os seus veículos
Três anúncios para um crime lidera indicações ao SAG
Vida parou na região birmanesa dos rohinyas, alerta Cruz Vermelha
Vice do Equador condenado a seis anos de prisão no caso Odebrecht
Trump não serve para limpar sanitários da biblioteca de Obama, diz jornal
Trump diante do tapa eleitoral do Alabama

MAIS NOTICIAS

 

Reforma da Previdência deve ser votada na semana que vem, diz Meirelles
 
 
Petrobras quer que Gleisi Hoffmann devolva R$ 1 milhão aos cofres da empresa
 
 
Marun quer finalizar CPMI da JBS antes da posse na Secretaria de Governo
 
 
Maia diz que não colocará Previdência em pauta sem ter votos para aprovação
 
 
Kassab afirma que extinção da faixa AM de rádio será um processo natural
 
 
Justiça Eleitoral torna inelegível por 8 anos o ex-prefeito do Rio Eduardo Paes

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 4018-8212