Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Reunião para Pacto Mundial sobre Migração começa com crítica à retirada dos EUA - Jornal Brasil em Folhas
Reunião para Pacto Mundial sobre Migração começa com crítica à retirada dos EUA


A última reunião preparatória para concluir um Pacto Mundial sobre Migração e refugiados começou nesta segunda-feira no México, com uma crítica do país anfitrião à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de abandonar o acordo.

Washington anunciou no sábado sua retirada das discussões para criar em 2018 um acordo mundial para os refugiados e migrantes que pretende melhorar no futuro sua gestão internacional.

O que se perde aqui é uma oportunidade, uma oportunidade de exercer liderança, disse o chanceler mexicano, Luis Videgaray.

Uma oportunidade de trabalhar juntos a favor de um fenômeno que preocupa a todos nós, acrescentou Videgaray ao inaugurar a Reunião Preparatória da ONU do Pacto Mundial para a Migração Segura, Ordenada e Regular, em Puerto Vallarta (Jalisco, oeste).

O objetivo do Pacto é definir normas e boas práticas para atender os fluxos migratórios, acrescentou o chanceler, na companhia de Louise Arbour, representante do secretário-geral da ONU para a Migração.

Em setembro de 2016, os 193 membros da Assembleia Geral da ONU aprovaram por unanimidade um texto denominado Declaração de Nova York para os Refugiados e Migrantes para melhorar no futuro sua gestão internacional, especialmente sobre acolhida e ajuda a quem retorna a seus países.

Sobre a base dessa declaração, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados recebeu o mandato para propor um Pacto Mundial sobre migrantes e refugiados em 2018. Esse acordo deveria se basear em dois pontos: a definição de um marco de respostas para enfrentar o problema e um programa de ação.

No entanto, no último sábado a missão dos EUA na ONU afirmou que a declaração de Nova York abarca muitas disposições que são incompatíveis com as políticas americanas de imigração e refugiados e com os princípios ditados pela administração Trump.

A Reunião Preparatória, que será concluída na terça-feira, convoca mais de 700 delegados de países das Nações Unidas, assim como representantes de organismos internacionais, setor privado, academia e organizações civis.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212