Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Itália lança programa pioneiro para detectar Alzheimer - Jornal Brasil em Folhas
Itália lança programa pioneiro para detectar Alzheimer


A Itália apresentou um programa pioneiro no mundo para detectar as pessoas com alto risco de desenvolver o mal de Alzheimer, de forma a prevenir os danos cerebrais com novos tratamentos.

O programa, que leva o nome Interceptor, aponta para identificar os benefícios dos novos tratamentos, já que os custos e efeitos colaterais serão consideráveis.

O mal de Alzheimer é um problema mundial que não se consegue resolver. Deve ser administrado com urgência, assegurou a ministra italiana de Saúde, Beatrice Lorenzin.

Na Itália foram registrados um milhão de casos de demência, dos quais 60.000 são devido ao Alzheimer.

As cifras devem aumentar na Europa e nos países desenvolvidos por causa do envelhecimento da população, lembrou a ministra, médica de formação.

A Itália sofre um déficit crônico de nascimentos e é o país com mais idosos da Europa, e o segundo no mundo, atrás do Japão.

Devido aos números preocupantes, o governo decidiu lançar a iniciativa, introduzindo a aplicação de novos remédios antes de 2025, explicou a ministra.

O Interceptor é um programa para uma categoria específica de pessoas, que apresentam problemas cognitivos leves e piora moderada da memória ou da linguagem.

Atualmente há 735.000 pessoas que apresentam esses sintomas na Itália, das quais 50% desenvolverão a doença de Alzheimer, explicou o professor de Neurologia Paolo Maria Rossini, que supervisiona o projeto.

Dar esses remédios a mais de 700.000 pessoas levaria o nosso sistema de saúde à falência, reconheceu o pesquisador.

O Interceptor tem como objetivo identificar as pessoas com alto risco durante o período assintomático.

O Estado italiano se comprometeu a contribuir com 3,5 milhões de euros ao projeto, que irá atender durante 54 semanas 400 pacientes, todos voluntários, que apresentam sintomas leves e com idades compreendidas entre 50 e 85 anos.

Os pacientes serão distribuídos em cinco centros especializados para o diagnóstico do Alzheimer, serão submetidos a uma série de exames (análises biológicas e testes neuropsicológicos), o que permitirá desenvolver o modelo para detectar a doença.

Seremos o primeiro país do mundo a contar com um dispositivo desse tipo antes da introdução do primeiro remédio, advertiu o professor Rossini.

Cerca de 50 medicamente estão sendo experimentados para frear ou impedir a doença cerebral que causa problemas de memória, na forma de pensar e na maneira de se comportar.

Essa grave patologia degenerativa é diagnosticada a cada três segundos no mundo e atualmente é considerada incurável.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212