Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Para Paulo Pimenta, vazamento sobre Jaques Wagner é seletivo e criminoso - Jornal Brasil em Folhas
Para Paulo Pimenta, vazamento sobre Jaques Wagner é seletivo e criminoso


O vice-líder do governo no Congresso, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), classificou como seletivo e criminoso o vazamento de informações que indicam a mediação do então governador da Bahia e atual ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, a favor de empreiteiros. Há um vazamento seletivo dentro da Polícia Federal que cria uma relação perversa na condução das investigações. Esse vazamento é criminoso, afirmou.

Mensagens de celular às quais o jornal O Estado de S.Paulo teve acesso indicam que Wagner teria ajudado o ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, a negociar liberação de pagamento com o Ministério dos Transportes em 2014. As mensagens também apontam para supostas tratativas envolvendo Wagner para financiamento de campanhas da eleição municipal de Salvador em 2012.

Na tarde desta quinta-feira, 7, deputados de oposição anunciaram que vão entrar com representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) pedindo a abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar a atuação do ministro.

A primeira investigação que tem de ser feita é sobre os vazamentos seletivos da Polícia Federal, reagiu Paulo Pimenta. É um documento que estava sob sigilo e não tinha sequer chegado ao Ministério Público Federal e ao Supremo Tribunal Federal. Na opinião do petista, o vazamento é uma tentativa de desgastar a imagem do ministro com a criação de factóides.

Ainda segundo Pimenta, a ação é uma estratégia da oposição em conjunto com a Polícia Federal. Estou convencido de que há um jogo combinado entre setores da PF e da oposição, com vazamentos seletivos, afirmou.

Ele fez um paralelo com estratégias descritas na Operação Mãos Limpas, que investigou ações de corrupção sistêmicas na Itália entre 1992 e 1994, e é semelhante à Lava Jato. É uma estratégia em que se escolhe alguns documentos para serem vazados e, a partir do momento em que são publicados, eles ganham uma credibilidade pública que justifica uma ação do órgão que vazou, exemplifica.

Para o deputado, entretanto, a imagem do ministro Jaques Wagner não será atingida pelo ocorrido. Ele defende também que não há ilegalidades nas negociações do ministro. Não há absolutamente nada no que foi publicado que sugira algum tipo de irregularidade ou ilegalidade. Qualquer governador, prefeito ou liderança pedir apoio é algo que faz parte do processo democrático, é uma conduta comum do governo e da oposição, argumenta.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212