Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Na ONU, aliados e opositores dos EUA confrontam decisão sobre Jerusalém - Jornal Brasil em Folhas
Na ONU, aliados e opositores dos EUA confrontam decisão sobre Jerusalém


Em reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas hoje (8) convocada pelo Reino Unido, França, Suécia, Bolívia, Uruguai, Itália, Senegal e Egito, todos os membros do órgão, menos os Estados Unidos, se posicionaram contra a decisão tomada pelo presidente Donald Trump da última quarta-feira (6) de reconhecer Jerusalém como capital de Israel e mudar a sua embaixada para a cidade considerada sagrada para muçulmanos, judeus e cristãos.

O enviado da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, Nickolay Mladenov, alertou que há grande risco de escalada na violência na região como resposta à decisão de Trump. “Há um sério risco hoje de que possamos ver uma cadeia de ações unilaterais que só podem nos empurrar ainda mais para longe de atingir o objetivo comum da paz”, disse ele ao Conselho de Segurança.

Aliados tradicionais dos Estados Unidos também se posicionaram contra a decisão. O Reino Unido afirmou que mantém sua posição de que Jerusalém é um tópico que deve ser deixado para um acordo final de paz entre palestinos e israelenses. “Nós dissemos isso muitas e muitas vezes e a reunião desta manhã não é uma exceção”, afirmou ele.

A França também afirmou que os dois lados do conflito devem concordar sobre o status de Jerusalém, mesma posição do Japão, que minimizou a crítica ao dizer que aprecia o reconhecimento de Trump de que o status final da cidade deve ser acordado entre as partes.

Paz e segurança

O representante da Suécia disse que este é o momento para levar adiante um acordo de paz que permita aos estados de Israel e da Palestina viverem lado a lado em paz e segurança, com Jerusalém como capital de ambos.

O Uruguai declarou que apoia as resoluções anteriores da Assembleia Geral das Nações Unidas e do Conselho de Segurança que reafirmam o caráter de Jerusalém como um “corpus separatum” que deve ser submetido a um regime especial, e demonstrou preocupação com a decisão norte-americana, que não contribui para alcançar um acordo justo e completo.

A Bolívia também lembrou das resoluções dos órgãos da ONU e se opôs à decisão americana, assim como a Itália, que disse que manterá sua embaixada em Tel Aviv.

Ao final da reunião, representantes europeus, entre eles França e Reino Unido, leram um comunicado representando a posição da Europa, que demonstrava desacordo com a decisão dos EUA que, segundo eles, não está alinhada com as resoluções do Conselho de Segurança da ONU e não ajuda na perspectiva de paz para a região. “Jerusalém deve ser a capital de ambos os estados. Até lá, não deve haver soberania sobre Jerusalém”, diz o comunicado.

Defesa
Embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Nikki Haley

Embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley EFE/Shawn Thew/Arquivo

A representante dos Estados Unidos da ONU, Nikki Haley, defendeu a decisão de Trump, dizendo que há 70 anos Jerusalém é a capital de Israel, e que, apesar de o Congresso norte-americano ter aprovado uma lei em 1995 reconhecendo esse status e determinando que a embaixada norte-americana deveria mudar para a cidade, e de todos os presidentes desde então – segundo ela, Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama – tenham concordado com o ato, eles não agiram.

“Esta semana, Trump fez a decisão de não negar o desejo dos norte-americanos”, afirmou Nikki, e disse que o presidente apenas confirmou o óbvio e que o anúncio de Trump não implica nenhuma decisão sobre fronteiras do estado de Israel, o status quo dos locais sagrados ou mesmo sobre a soberania de Jerusalém, que, segundo ela, deve ser decidida por israelenses e palestinos.

A diplomata frisou que os Estados Unidos continuam apoiando a solução de dois estados e comprometidos com o processo de paz.

O representante de Israel defendeu a decisão dizendo que Jerusalém “é e sempre foi” a capital do país e que a embaixada dos Estados Unidos deve ficar na capital. Ele condenou a decisão do Conselho de Segurança do ano passado, que dizia que a presença de Israel no Muro das Lamentações não é legal, uma resolução que também havia sido condenada por Nikki Haley em sua fala. O diplomata israelense afirmou que “Jerusalém, sob Israel, é mais livre a aberta a todas as pessoas do que em qualquer outro momento da história” e pediu para que outros países sigam o exemplo dos EUA.

O representante da Palestina disse que há urgência na discussão do “anúncio lamentável” e afirmou que a decisão de Trump foi instigada pelo “poder ocupante”, ou seja, Israel, que, segundo ele, ao invés de obedecer às orientações do Conselho de Segurança continua cometendo crimes. Ele afirmou que a mudança de posição dos Estados Unidos destrói a possibilidade da solução de dois estados e deslegitima o país como mediador do conflito no Oriente Médio.

Ele também afirmou que o status de Jerusalém não pode ser alterado por determinação de qualquer estado e pediu para que o Conselho de Segurança denuncie a decisão e atue para restaurar a crença dos palestinos na lei internacional.

Composição

O Conselho de Segurança é o órgão da ONU responsável pela paz e segurança internacionais. Ele é formado por 15 membros: cinco permanentes, que possuem o direito a veto – Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China – e dez membros não-permanentes, eleitos pela Assembleia Geral por dois anos.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212