Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


24 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Spotify e chinesa Tencent anunciam aliança no streaming de música - Jornal Brasil em Folhas
Spotify e chinesa Tencent anunciam aliança no streaming de música


O presidente russo, Vladimir Putin, inaugurou, nesta sexta-feira (8), uma excepcional usina de gás natural muito isolada na Península de Iamal, no Ártico siberiano, construída em condições climáticas e geológica extremas.

Parabenizo a todos pela primeira expedição de um (navio) metaneiro, declarou Putin no porto de Sabetta, de onde zarpou a embarcação, chamada Christophe de Margerie em homenagem ao CEO da petroleira francesa Total, falecido em 2014 na Rússia.

O grupo privado russo Novatek, lidera o consórcio internacional que desenvolveu o projeto.

Nesta semana, foi anunciado o começo da fabricação de gás natural liquefeito (GNL) na primeira linha de produção, com capacidade prevista de 5,5 milhões de toneladas ao ano.

No porto de Sabetta, a -27°C, o navio transportador de GNL quebra-gelo que vai levar a carga à Ásia aparecia iluminado e esfumaçado, no meio da escuridão. Ele foi batizado de Christophe de Margerie, em homenagem ao CEO da Total, que morreu em 2014 na Rússia.

O projeto de 27 bilhões de dólares é um dos mais ambiciosos do mundo no setor. Ele abarca a construção, em três etapas, de uma fábrica de liquefação de gás para produzir 16,5 milhões de toneladas anuais a partir de 2019.

Este lançamento é um primeiro sucesso do projeto, do qual participarão a Novatek (50,1%), a francesa Total (20%) e as chinesas CNPC (20%) e Silk Road Fund (9,9%).

Durante a construção, foi preciso superar diversos desafios técnicos e financeiros. E, embora a península de Iamal tenha abundantes recursos naturais, fica muito isolada, ao norte do círculo ártico, a 2.500 quilômetros de Moscou, e as temperaturas podem chegar a -50°C.

Desde que as obras começaram, no fim de 2013, um aeroporto, um porto, os depósitos e a própria usina foram construídos neste ambiente gélido.

As raposas-do-ártico percorrem as avenidas do complexo pré-fabricado, que tem até uma pequena igreja ortodoxa.

Pouco antes da inauguração, centenas de funcionários trabalhavam com roupas aquecidas.

Usamos metais especiais que resistem a temperaturas muito baixas, hoje é -25°C, mas já chegamos a -50°, explica Dimitri Manakov, diretor-assistente do projeto Iamal, caminhando pelas avenidas nevadas.

- Catedral do século XXI -

Apesar das condições de operação complicadas, o Yamal LNG foi concluído dentro tempo e do orçamento. Isso é raro na indústria de GNL, afirmou Samuel Lussac, especialista do escritório Wood Mackenzie.

Com este lançamento, a Novatek se torna um ator global do GNL, acrescentou, e a Total ganha força no setor.

Em Iamal, partimos de nada para construir uma catedral do século XXI, disse o diretor-executivo da Total, Patrick Pouyanné, orgulhoso de ter superado os desafios e, em particular, as sanções.

As sanções dos Estados Unidos contra a Novatek impediram bancos ocidentais de financiar esse projeto. O obstáculo foi contornado com a contribuição de fundos chineses.

Isso foi um alívio para a Rússia, que pretende, com esse projeto, demonstrar sua capacidade de explorar recursos do Árctico e fortalecer sua presença no mercado de GNL. Isso vai permitir aumentar as exportações para países asiáticos e reduzir a dependência da Europa.

Mas, segundo Lussac, será preciso esperar para ver se a fábrica pode funcionar sem problemas no ambiente hostil do Ártico. Além disso, acrescenta, o transporte pela Passagem do Nordeste está começando, e não há certeza de que seja viável como uma rota de abastecimento de GNL.

A Rússia aposta bastante nesta rota, mais acessível devido ao aquecimento global e repleta de portos e bases militares que podem auxiliar os navios em casos de necessidade.

Esta rota permite ganhar 15 dias em comparação com a que atravessa o Canal de Suez, segundo a Total.

Em Iamal, 15 navios quebra-gelo começarão a operar progressivamente até 2019 para fornecer GNL à Europa (46%) e à Ásia (54%), de acordo com o grupo.

 

Últimas Notícias

Varejo perde R$ 19,5 bilhões em 2017 por danos em produtos e furtos
A partir deste sábado, candidatos só podem ser presos em flagrante
Brasileiros não se sentem prontos para lidar com a morte, diz pesquisa
Aos 95 anos, Gervásio Baptista recebe Medalha do Mérito Jornalístico
PF combate grupo criminoso responsável por contrabando de cigarros
Primavera começa hoje com possibilidade de novo episódio do El Niño
Facebook anuncia medidas para combater contas falsas e desinformação
Polícia Militar faz operação na Rocinha

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212