Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Spotify e chinesa Tencent anunciam aliança no streaming de música - Jornal Brasil em Folhas
Spotify e chinesa Tencent anunciam aliança no streaming de música


O presidente russo, Vladimir Putin, inaugurou, nesta sexta-feira (8), uma excepcional usina de gás natural muito isolada na Península de Iamal, no Ártico siberiano, construída em condições climáticas e geológica extremas.

Parabenizo a todos pela primeira expedição de um (navio) metaneiro, declarou Putin no porto de Sabetta, de onde zarpou a embarcação, chamada Christophe de Margerie em homenagem ao CEO da petroleira francesa Total, falecido em 2014 na Rússia.

O grupo privado russo Novatek, lidera o consórcio internacional que desenvolveu o projeto.

Nesta semana, foi anunciado o começo da fabricação de gás natural liquefeito (GNL) na primeira linha de produção, com capacidade prevista de 5,5 milhões de toneladas ao ano.

No porto de Sabetta, a -27°C, o navio transportador de GNL quebra-gelo que vai levar a carga à Ásia aparecia iluminado e esfumaçado, no meio da escuridão. Ele foi batizado de Christophe de Margerie, em homenagem ao CEO da Total, que morreu em 2014 na Rússia.

O projeto de 27 bilhões de dólares é um dos mais ambiciosos do mundo no setor. Ele abarca a construção, em três etapas, de uma fábrica de liquefação de gás para produzir 16,5 milhões de toneladas anuais a partir de 2019.

Este lançamento é um primeiro sucesso do projeto, do qual participarão a Novatek (50,1%), a francesa Total (20%) e as chinesas CNPC (20%) e Silk Road Fund (9,9%).

Durante a construção, foi preciso superar diversos desafios técnicos e financeiros. E, embora a península de Iamal tenha abundantes recursos naturais, fica muito isolada, ao norte do círculo ártico, a 2.500 quilômetros de Moscou, e as temperaturas podem chegar a -50°C.

Desde que as obras começaram, no fim de 2013, um aeroporto, um porto, os depósitos e a própria usina foram construídos neste ambiente gélido.

As raposas-do-ártico percorrem as avenidas do complexo pré-fabricado, que tem até uma pequena igreja ortodoxa.

Pouco antes da inauguração, centenas de funcionários trabalhavam com roupas aquecidas.

Usamos metais especiais que resistem a temperaturas muito baixas, hoje é -25°C, mas já chegamos a -50°, explica Dimitri Manakov, diretor-assistente do projeto Iamal, caminhando pelas avenidas nevadas.

- Catedral do século XXI -

Apesar das condições de operação complicadas, o Yamal LNG foi concluído dentro tempo e do orçamento. Isso é raro na indústria de GNL, afirmou Samuel Lussac, especialista do escritório Wood Mackenzie.

Com este lançamento, a Novatek se torna um ator global do GNL, acrescentou, e a Total ganha força no setor.

Em Iamal, partimos de nada para construir uma catedral do século XXI, disse o diretor-executivo da Total, Patrick Pouyanné, orgulhoso de ter superado os desafios e, em particular, as sanções.

As sanções dos Estados Unidos contra a Novatek impediram bancos ocidentais de financiar esse projeto. O obstáculo foi contornado com a contribuição de fundos chineses.

Isso foi um alívio para a Rússia, que pretende, com esse projeto, demonstrar sua capacidade de explorar recursos do Árctico e fortalecer sua presença no mercado de GNL. Isso vai permitir aumentar as exportações para países asiáticos e reduzir a dependência da Europa.

Mas, segundo Lussac, será preciso esperar para ver se a fábrica pode funcionar sem problemas no ambiente hostil do Ártico. Além disso, acrescenta, o transporte pela Passagem do Nordeste está começando, e não há certeza de que seja viável como uma rota de abastecimento de GNL.

A Rússia aposta bastante nesta rota, mais acessível devido ao aquecimento global e repleta de portos e bases militares que podem auxiliar os navios em casos de necessidade.

Esta rota permite ganhar 15 dias em comparação com a que atravessa o Canal de Suez, segundo a Total.

Em Iamal, 15 navios quebra-gelo começarão a operar progressivamente até 2019 para fornecer GNL à Europa (46%) e à Ásia (54%), de acordo com o grupo.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212