Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 A ausência das mulheres no prêmio Nobel - Jornal Brasil em Folhas
A ausência das mulheres no prêmio Nobel


As estatísticas dos prêmios Nobel apontam um desfavorecimento às mulheres, que recebem apenas uma medalha de cada 20. Apesar de uma recente melhora, nos últimos dois anos nenhuma mulher recebeu o prestigiado prêmio, que será entregue neste domingo, 10 dezembro.

As distinções científicas de Medicina, Física e Química, de Literatura e de Economia serão entregues na Suécia, e o da Paz, na Noruega, dois países que se reivindicam feministas e se orgulham por nortear os demais no caminho para a igualdade.

No entanto, embora o número não tenha deixado de aumentar desde a primeira edição, passando de quatro premiadas entre 1901 e 1920 para 19 entre 2001 e 2017, as mulheres Nobel - 48 no total - representam pouco mais de 5% dos 896 premiados de ambos os sexos.

Dos reconhecimentos originais - o de Economia foi instituído em 1968- , o de Física e o de Química são os mais misóginos, tendo apenas premiado duas e quatro mulheres respectivamente. Paradoxalmente, a única mulher da História premiada duas vezes, Marie Curie, venceu nas duas categorias, em 1903 e 1911.

- Laboratórios vetados às mulheres -

É uma decepção, olhar para trás e ver que as mulheres têm sido muito menos premiadas, reconhece Göran Hansson, secretario permanente da Academia Real das Ciências em Estocolmo, encarregada dos prêmios de Física, Química e Economia.

Não há nenhum chauvinismo masculino substancial nos comitês de seleção do Nobel, garante Hansson. Quatro desses comitês (Medicina, Química, Paz, Literatura) são presididos por mulheres.

Para ele, o fato de haver tão poucas premiadas se deve, em primeiro lugar, ao fato de os laboratórios lhes terem fechado as portas durante muito tempo.

Um efeito pirâmide confirmado pela física Anne LHuillier, membro da Academia Real das Ciências e membro do comitê Nobel desde 2010.

É completamente evidente, sobretudo nas matérias duras, exceto para as ciências da vida, assegura.

Contudo, os prêmios de Medicina, atribuído pelo prestigiado instituto Karolinska, não é muito alentador: 12 mulheres de um total de 214 premiados, isto é, 5,6%.

O prêmio de Ciências Econômicas em memória a Alfred Nobel, financiado pelo Banco da Suécia, só foi dado a mulheres em uma ocasião, em 2009: a americana Elinor Ostrom.

Vocês viram, é verdade, somos todos homens brancos, velhos homens brancos, ironizou na última quinta-feira em Estocolmo, Richard Thaler, Nobel de Economía 2017.

- O lugar das mulheres no século XX -

Na literatura, apenas catorze poetisas ou romancistas (12,3%) foram premiadas. No entanto, a tendência não lhe é favorável, visto que 36% dos prêmios nesta disciplina foram para mulheres desde 2007.

Isso vai em boa direção e nada nos diz que as estatísticas não continuar seguir melhorando. Podem fazer isso e o farão, escreveu em seu blog a secretária permanente da Academia Sueca.

A Academia Sueca não está submetida à estadísticas. A única coisa que preocupa à Academia é a qualidade, ressaltou Sara Danius, envolvida há semanas nas revelações #metoo (#yotambien) que trouxeram à tona as estreitas relações da Academia e o francês Jean-Claude Arnault, casado com uma acadêmica e acusado de ter assediado, agredido ou estuprado várias mulheres jovens.

É no Nobel da Paz que as mulheres aparecem melhor representadas: 16 premiadas de 104, 15,4%. Mesmo assim, muito distante da paridade.

Uma realidade que aponta ao lugar das mulheres na sociedade do século XX, segundo Olav Njølstad, diretor do Instituto Nobel norueguês.

Como com os outros prêmios, as coisas começaram a mudar, e nos últimos 15 anos foram seis premiadas.

Em 2011, o comitê noruego chegou inclusive a premiar três mulheres ao mesmo tempo: a presidente liberiana Ellen Johnson Sirleaf, sua compatriota Leymah Gbowee e a iemenita Tawakkol Karman, figuras destacadas da primavera árabe.

Uma evolução que reflete também a feminização do comitê.

Com o tempo, é naturalmente importante que tenhamos passado de um comitê dominado por homens a um em que estamos, mais ou menos, ao 50/50 [de homens/mulheres], ressaltou Olav Njølstad.

 

Últimas Notícias

Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem
PF prende suspeitos de ligações com facções criminosas em sete estados

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212