Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estados Unidos expressam hostilidade à OMC - Jornal Brasil em Folhas
Estados Unidos expressam hostilidade à OMC


Os Estados Unidos expressaram, nesta segunda-feira (11), sua hostilidade frente à Organização Mundial de Comércio (OMC) por considerar que ela se afastou de suas finalidades e que deve repensar as vantagens de países que são tratados como se fossem nações em desenvolvimento.

O representante comercial dos Estados Unidos, Robert Lightlizer, foi um dos primeiros a falar na conferência ministerial da OMC, iniciada neste domingo em um contexto crítico em torno do governo do presidente americana Donald Trump.

Lightlizer afirmou, em Buenos Aires, que a OMC está mais preocupada em resolver litígios comerciais que em estimular negociações.

Nos preocupa que a OMC esteja perdendo seu enfoque principal e se tornando uma organização focada em disputas, afirmou Lighthizer, ante a conferência ministerial.

Os Estados Unidos estão no centro das preocupações da OMC pela hostilidade do presidente Donald Trump aos acordos de livre-comércio e sua oposição ao sistema da organização para a resolução de conflitos comerciais.

De fato, o organismo encarregado de resolver litígios - que vão desde controvérsias agrícolas e tarifárias a guerras entre gigantes empresariais, como a da Boeing contra a Airbus - está atolado.

A OMC é boa, mas existem desafios sérios, destacou Lightlizer, chefe da delegação americana na reunião, que congrega os 164 países associados à organização responsável por orientar o comércio mundial.

A OMC está perdendo sua essência, resumiu. Não podemos sustentar uma situação na qual as novas regras só se aplicam a poucos.

Lightlizer se queixou de que alguns países se beneficiam de medidas comerciais concebidas para nações menos desenvolvidas. Sem citar nomes, o americano aludiu a nações como China e Índia.

Precisamos esclarecer nossa definição de desenvolvimento na OMC, afirmou.

A conferência, que vai até quarta-feira, é a primeira realizada pela OMC na América Latina.

A organização está praticamente estagnada em sua missão de liberar o comércio mundial, traçada na rodada de negociações iniciada em Doha, em 2001, ainda não concluída.

- Azevêdo pede compromisso -

O diretor-geral da OMC, o brasileiro Roberto Azevêdo, disse que vai pedir a Lighthizer um compromisso político, vontade política e flexibilidade.

Sem flexibilidade, não iremos a parte alguma, disse em uma entrevista coletiva.

Os representantes dos países expressam na tribuna da conferência suas reivindicações comerciais.

Por exemplo, o representante de Mali defendeu sua produção de algodão. Já o de Lesoto disse que o essencial para seu governo é investir em obras de infraestrutura para, assim, facilitar suas exportações de produtos têxteis aos Estados Unidos e de trutas ao Japão.

Nos bastidores, se discutem projetos de resolução e são feitas negociações - entre elas, a de um acordo para punir subsídios à pesca ilegal que destrói economias e ecossistemas.

É esperado um acordo sobre esse assunto em Buenos Aires, bem como outros relacionados, por exemplo, a uma redução das subvenções à atividade agrária.

Os países latinos defenderam o multilateralismo e a redução do protecionismo em uma declaração de respaldo à OMC emitida no domingo.

O presidente argentino, Mauricio Macri, fez uma defesa tenaz da OMC.

Os problemas da OMC se resolvem com mais OMC. Não com menos OMC, disse no domingo.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212