Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Pobreza afeta quase metade de crianças e adolescentes na Argentina - Jornal Brasil em Folhas
Pobreza afeta quase metade de crianças e adolescentes na Argentina


Quase metade dos menores até 14 anos na Argentina - 48,4% - são pobres, e 10,4% são considerados miseráveis, segundo um estudo divulgado nesta segunda-feira (11) pela Universidade Católica Argentina (UCA).

A infância é o período da vida mais afetado pela pobreza no país. Entre os jovens de 15 a 29 anos, ela atinge 35,3%.

As conclusões são do Observatório da Dívida Social Argentina da UCA, com base em novos parâmetros de estudo que medem a pobreza multidimensional da terceira economia da América Latina.

Segundo o estudo, a pobreza afeta 31,4% dos argentinos, e a miséria, 5,9% de uma população de cerca de 40 milhões de pessoas.

Os dados se referem ao terceiro trimestre de 2017, quando a universidade modificou os parâmetros de medição, incluindo um conceito mais amplo para avaliar a pobreza - não limitado apenas à renda. Por isso, as séries não são comparáveis, explicou a UCA.

No novo índice, são levados em conta, além da receita, conceitos como acesso à saúde, água potável, educação e moradia, entre outros.

Em 2017, 6 em cada 10 lares urbanos na Argentina apresentam privação em pelo menos uma das dimensões analisadas, disse o informe.

A última medição da UCA, correspondente ao primeiro semestre de 2017, tinha encontrado dados similares.

A Argentina continua mantendo um terço da população abaixo da linha de pobreza, por renda, ou por direitos, explicou Agustín Salvia, coordenador do Observatório, ao apresentar o estudo.

Os pobres são, agora, mais pobres que antes, resumiu.

O governo do presidente Mauricio Macri tem como um de seus principais objetivos alcançar a pobreza zero - uma promessa da campanha que lhe levou à presidência em dezembro de 2015.

Contudo, nos primeiros meses de seu governo, mais de 1,5 milhão de pessoas entraram na pobreza, quando o governo impulsionou medidas de ajuste econômico que incluíram uma alta sem precedentes das tarifas públicas de transporte, água, eletricidade e gás, que chegaram a 800% e foram alvo de demandas judiciais dos consumidores.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212