Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rússia ordena retirada de parte do contingente militar na Síria - Jornal Brasil em Folhas
Rússia ordena retirada de parte do contingente militar na Síria


O presidente russo Vladimir Putin ordenou nesta segunda-feira a retirada de uma parte das tropas russas na Síria, poucos dias após o anúncio por Moscou da libertação total do país do grupo Estado Islâmico (EI).

Durante uma visita surpresa à base militar russa de Hmeimim nesse país, Putin afirmou, no entanto, que seu país vai manter uma presença na Síria, assegurando que Hmeimim, onde se concentram os efetivos russos, e a base naval de Tartus, vão continuar em operação.

Em quase dois anos, as Forças Armadas russas, em colaboração com o exército sírio, destruíram em grande parte os terroristas internacionais. Portanto, tomei a decisão de fazer com que retorne à Rússia uma parte considerável do contingente militar presente na Síria, afirmou Putin, segundo declarações retransmitidas pela televisão russa.

Na base russa, Putin foi recebido pelo presidente sírio Bashar al-Assad, pelo ministro da Defesa russo Serguei Shoigu e o chefe das forças russas na Síria, Serguei Surovikin. Ele não informou quantos soldados russos vão continuar mobilizados no país aliado.

Ao chegar em Hmeimim, o presidente russo cumprimentou calorosamente seu colega sírio, de quem Moscou é o principal aliado, antes de falar às tropas russas em guarda.

O objetivo da luta contra os criminosos armados na Síria, o objetivo, que requeria amplos meios das forças armadas, foi alcançado em sua totalidade e brilhantemente, disse Vladimir Putin, cujo discurso foi retransmitido com algumas horas de atraso.

A Síria foi preservada como um Estado soberano e independente, disse ele, agradecendo aos soldados por seu trabalho.

Se os terroristas levantarem a cabeça novamente, então vamos bater neles com uma força nunca antes vista, advertiu. Nunca iremos esquecer nem os mortos nem as nossas perdas causadas pela luta contra o terrorismo, na Síria e em casa, na Rússia.

Bashar al-Assad, por sua vez, agradeceu o presidente russo, elogiando a participação efetiva (dos russos) na guerra contra o terrorismo, de acordo com um comunicado divulgado pela imprensa oficial.

O que os militares russos fizeram, os sírios nunca esquecerão. Seu sangue misturou-se ao sangue dos mártires do exército sírio, declarou.

O Pentágono reagiu com ceticismo ao anúncio. As declarações russas sobre a retirada de suas forças muitas vezes não correspondem a reais reduções dos efetivos e não afetam as prioridades dos Estados Unidos na Síria, declarou o comandante Adrian Rankine-Galloway, um porta-voz da secretaria de Defesa.

- Maratona diplomática -

Após sua visita inesperada a Hmeimim, Vladimir Putin viajou para o Cairo para um encontro com o chefe de Estado egípcio, Abdel Fattah Al-Sissi.

Os dois chefes de Estado concordaram em refoçar a coordenação, a fim de trabalhar em favor de uma solução política para o conflito sírio a longo prazo, afirmou Putin durante uma coletiva de imprensa conjunta.

Na capital egípcia, o presidente russo também defendeu a retomada das negociações entre Israel e os palestinos, depois que Washington reconheceu Jerusalém como capital de Israel.

Além disso, Egito e Rússia assinaram o contrato final para a construção da primeira central nuclear egípcia.

Depois de passar pelo Egito, Putin irá à Tuquia, onde está prevista uma reunião com o presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

As condições foram reunidas para uma resolução política (do conflito) sob os auspícios da ONU, assegurou, enquanto o 8º ciclo de negociações inter-sírias continua em Genebra até 14 de dezembro.

A partir de 21 de dezembro estão programadas novas discussões em Astana, no Cazaquistão, segundo anunciou a diplomacia local.

Na quinta-feira, Moscou anunciou a libertação total do território sírio sob controle do grupo do Estado Islâmico, embora a organização jihadista ainda controle várias localidades no país.

A Rússia já havia anunciado em 21 de novembro o fim da fase ativa da operação militar na Síria.

Lançada em 2015, a intervenção militar russa na Síria mudou o conflito, ao permitir que as forças do governo recuperassem do EI a cidade histórica de Palmira e expulsassem os rebeldes de sua fortaleza em Aleppo, no noroeste de países.

Entre 4.000 e 5.000 soldados russos foram enviados à Síria durante estes dois anos, a grande maioria para a base aérea de Hmeimim, no noroeste da Síria.

Oficialmente, cerca de quarenta soldados russos morreram na Síria desde o início da intervenção, em 30 de setembro de 2015.

 

Últimas Notícias

Receita paga hoje as restituições do último lote do IRPF 2018
Mercado mantém estimativa de inflação em 3,71% este ano
BC anuncia que atividade econômica cresce 0,02% em outubro
Embraer e Boeing aprovam termos para fusão
Leilão da Ceal é adiado para o dia 28 de dezembro
Tesouro quitou no ano R$ 4,19 bi de estados e municípios inadimplentes
Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
Com intervenção do BC, dólar começa semana em queda

MAIS NOTICIAS

 

Paulo Guedes diz que pretende cortar até 50% das verbas do Sistema S
 
 
Documentos de Ghosn são recolhidos de apartamento em Copacabana
 
 
COP24: países definem regras para implementar Acordo de Paris
 
 
Crise na Nicarágua se agrava, diz Comissão de Direitos Humanos da OEA
 
 
Regulamentação do mercado de carbono será decidida somente na COP 25
 
 
Coreia do Norte adverte EUA que sanções podem impedir desnuclearização

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212