Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Vice do Equador condenado a seis anos de prisão no caso Odebrecht - Jornal Brasil em Folhas
Vice do Equador condenado a seis anos de prisão no caso Odebrecht


O vice-presidente do Equador, Jorge Glas, foi condenado nesta quarta-feira a seis anos de prisão por receber subornos do grupo brasileiro Odebrecht, informou a Suprema Corte de Justiça.

Glas, 48 anos, é o funcionário em atividade de cargo mais elevado na América Latina a ser condenado no escândalo Odebrecht, que sacudiu os círculos do poder na região e resultou em uma pena de quase dez anos de prisão para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Também há processos contra o governante venezuelano Nicolás Maduro e o peruano Pedro Pablo Kuczynski.

O vice-presidente, que assistiu à audiência na Suprema Corte, em Quito, era julgado por associação criminosa, do mesmo modo que outras quatro pessoas, incluindo seu tio Ricardo Rivera, elemento de ligação entre Glas e a Odebrecht, que lhe entregou um suborno de 13,5 milhões de dólares.

Os outros três envolvidos foram condenados a 14 meses de prisão após uma cooperação eficaz com a justiça, segundo a sentença lida pelo juiz Edgar Flores.

Eduardo Franco, advogado de Glas, qualificou a sentença de inócua e bárbara e anunciou que apelará.

Após a leitura da sentença, o procurador-geral, Carlos Baca, disse que determinou a abertura de novas investigações.

A condenação por associação ilícita abrirá caminho para novas ações contra Glas, por corrupção passiva e enriquecimento ilícito, com penas de até 13 anos de prisão.

A legislação equatoriana estabelece que as penas são acumuláveis até um máximo do dobro da mais grave, sem que excedam os 40 anos.

O vice-presidente, eleito há oito meses na chapa do presidente Lenín Moreno, cumpre prisão preventiva desde 2 de outubro passado.

Apesar de afirmar que está fazendo uso de suas férias, o que o governo nega, Glas está perto de completar três meses afastado do cargo. Isso configuraria falta definitiva e permitiria que o Congresso - que tirou sua imunidade a pedido dele - eleja um vice-presidente de uma lista proposta por Moreno, segundo a Constituição.

Segundo o especialista penal Ramiro Román, de uma organização civil anticorrupção, com a condenação Glas deveria renunciar, porque os equatorianos não podem ter um vice-presidente nestas condições.

Román recordou que há coisas que são muito maiores que essa simples associação criminosa dentro do caso Odebrecht, empresa que teria pagado 47,3 milhões de dólares em propinar para obter contratos no Equador.

Moreno, que nesta quarta-feira viajou à Europa, afirmou na segunda-feira que essa semana será muito importante na luta contra a corrupção. Acredito firmemente na luta contra a impunidade.

O presidente será recebido pelo Papa Francisco no Vaticano e se reunirá com o rei da Espanha, Filipe VI, e o presidente do governo espanhol, Mariano Rajoy.

A condenação do vice-presidente têm como pano de fundo o racha no movimento governista Aliança País - no poder desde 2007 - entre os partidários de Lenín Moreno e os do ex-presidente Rafael Correa, grande aliado de Glas.

Correa, que em várias ocasiões disse que não existem provas contra Glas, sustenta que Moreno, que foi seu vice-presidente entre 2007 e 2013, se aliou à oposição tradicional e se utiliza da luta contra a corrupção para desprestigiar seu governo e afastá-lo da política.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212